“Flexibilidade e a busca por transitar entre trabalho e vida pessoal” (matéria LinkedIn)!

Imagem: hostinger.com.br

Volto hoje, até para não perder contato (rsrs), a focalizar aspectos que impactam as corporações e o mundo do trabalho, sempre, por óbvio, trazendo o olhar para as questões relativas ao capital humano.

Bem, se a mudança é uma permanente desde sempre, conforme já preconizava o filósofo Heráclito, cerca de 500 anos antes de Cristo, dá para imaginar o que vem ocorrendo agora, com a facilidade de comunicação, de acesso à informação e ao conhecimento, tudo isso incentivando mudanças de hábitos das pessoas, em sentido amplo.

Por consequência, as organizações em geral estão no meio de mudanças importantes, do que eu destacaria o seu modo de funcionamento. Em razão de uma série de fatores, incluindo necessidades de adaptação decorrentes da pandemia pelo coronavírus, eis que veio com força a figura da flexibilidade de trabalho, com a adoção total ou parcial de atuação das pessoas remotamente, estilo denominado de home office. Essa realidade do mundo do trabalho passou a ser inescapável, seja na área pública ou na iniciativa privada.

E esse contexto, atualmente, traz novas exigências, com a identificação de novos valores corporativos e o surgimento de novos conceitos. Pelo que percebo, deixar completamente de adotar o home office não mais será possível. A discussão em curso é como se chegar ao melhor modelo, tendendo a se consolidar um modo de funcionamento híbrido, combinando atuação presencial e remota das pessoas.

Nesse diapasão, conceitos e visões sobre o trabalho se ampliam e se diversificam. Assim é que, uma remuneração empregatícia não é mais compreendida (analisada) apenas pelo valor do salário, pois os trabalhadores de hoje levam em conta, ainda, os benefícios e a satisfação com o trabalho. Novos conceitos como “salário emocional”, e o destaque para fatores como “flexibilidade” e equilíbrio entre “vida profissional e vida pessoal” ganham evidência, subindo naturalmente na hierarquia dos fatores de valorização no trabalho!

Assim, repercuto e recomendo a leitura, a seguir, de matéria, com vários e interessantes enfoques sobre o tema, publicada no portal LinkedIn. Entre os aspectos que chamam a atenção, está um rol de “10 fatores-chave para medir o salário emocional”. Confira :

https://www.linkedin.com/news/story/flexibilidade-e-a-busca-por-transitar-entre-trabalho-e-vida-pessoal-4775553/

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Motivação e crescimento humano, O ser humano no contexto das organizações e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para “Flexibilidade e a busca por transitar entre trabalho e vida pessoal” (matéria LinkedIn)!

  1. lulaborda disse:

    De fato a pandemia trouxe hábitos novos, para o mercado de trabalho. No início a adaptação foi difícil, porém, depois dela, difícil está se tornando a volta da rotina normal, no próprio ambiente das empresas.
    Não sei ainda como isso vai ficar, mas aos poucos, vejo as pessoas retornando. E sei o quão será difícil deixar completamente essa nova forma de trabalho, mas muito ainda tem que se fazer para melhoria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s