Não é a distância que separa as pessoas. É o “tanto faz” – Veja que texto atual e pertinente!!!

Repercuto texto que julguei muito interessante, tratando dos relacionamentos em tempos de redes sociais e algumas questões psicológicas aí envolvidas!

Publicado no site Revista Pazes, o texto focaliza o sentimento de indiferença do outro – também chamada de desprezo, falta de atenção ou “desdém” – que muita gente pode estar experimentando, e sentindo, nas suas interações virtuais.

Ao final, a mensagem realça a importância de não se praticar a indiferença, claro, com as exceções sempre cabíveis. Ao contrário, tudo ficará melhor com pequenos gestos de atenção pelo outro. Com isso, haverá melhora qualitativa nos relacionamentos por redes sociais e equivalentes, não tenho dúvida.

Curiosidade: trata-se de situação retratada em 20/out/2016, data da referida publicação.

Assim, cabe refletir: houve mudanças de lá para cá? O quadro hoje é diferente para melhor ou para pior, nesse particular?

Na minha percepção, até por conta da enxurrada cada vez maior de mensagens/informações que chegam, oriundas de contatos os mais diversos, arrisco dizer que esse quadro segue mais ou menos na mesma tônica, em relação à maioria dos “amigos” virtuais.

Certamente, cabe a cada um fazer o seu juízo a esse respeito, tendo presente a sua realidade!

Leia a seguir:

” Não é a distância que separa as pessoas. É o “tanto faz”

imagem: revistapazes.com

Maldita parafernália eletrônica que nos mantêm cativos voluntários de seus atrativos. E alguém quer ficar livre livre disso? Meia dúzia, talvez, consiga viver no acrisolamento “sociovirtual”. Mas a maioria dirá que não abre mão das facilidades que elas nos trazem. Ocorre que você envia uma mensagem para alguém e o aplicativo mostra: mensagem enviada, mensagem entregue, mensagem lida… Mas a pessoa, do outro lado da tela, não lhe responde.

Tudo bem, o mundo está uma loucura. A gente fica antenado dezoito horas por dia e são tantas atualizações: email, WhatsApp, Facebook, Google +, Twitter, Instagram, Mesenger… Ufa.. E tem alguém ali, em todas elas, dizendo “oi”.

Um “oizinho” não é importante, deixa pra lá, depois falo com essa pessoa. Depois do “oi”, você envia outra mensagem que é visualizada e ignorada. Tudo bem, lá vamos nós, o mundo anda uma correria… e blá, blá… Mas então você percebe que a pessoa entrou várias vezes – maldito aplicativo que tudo informa – e ela sequer envia um emoticon pra dizer, “perai”. Não pode escrever? Manda um áudio. Visualizar e não responder – em momento algum – é deselegante e demonstra desrespeito por quem envio. E o respeito é a coisa mais importante em todos as relações.

“Nunca o nosso mundo teve ao seu dispor tanta comunicação. E nunca foi tão dramática a nossa solidão”, disse Mia Couto em um de seus discursos. E Zygmunt Bauman completa: “Eu penso que a atratividade desse novo tipo de amizade, o tipo de amizade de Facebook, como eu a chamo, está exatamente aí: que é tão fácil de desconectar. É fácil conectar e fazer amigos, mas o maior atrativo é a facilidade de se desconectar. Na internet é tão fácil, você só pressiona ‘desfazer amizade’ e pronto, em vez de 500 amigos, você terá 499, mas isso será apenas temporário, porque amanhã você terá outros 500, e isso mina os laços humanos”.

“Mas, por quê a mensagem enviada é quase sempre é ignorada num ‘tanto faz se essa pessoa me envia uma mensagem ou não’ – Você pensa: ‘o que eu disse de errado?’.

Nunca antes a indiferença, maquiada pela tecnologia, ‘destruiu’ tantas expectativas como atualmente. Não é o ‘ódio’ pelo outro que desmonta seu sorriso tão duramente costurado. Não é a ofensa que apaga do coração a centelha de uma afinidade qualquer. O que entristece a alma, aquilo que pode afogar os sentimentos mais básicos de um coração, chama-se indiferença. A indiferença é arte do desdém.

Quem pratica a indiferença possui uma veia artística. Esse tipo de pessoa costuma pintar em matizes opacas no rosto do desdenhado a palavra ‘desumanidade’. Pois o que seria a indiferença senão a desconstrução da humanidade? Quem pratica a indiferença – ‘te respondo quando me der na telha e olhe lá’ – faz do outro qualquer coisa, menos ser humano.

Ignorar aquele que nos escreveu uma mensagem, que deixou um recado na caixa postal do telefone ou que nos enviou um ‘olá’ pelas redes sociais é desrespeitoso.

Quem já leu Franz Kafka sabe o que é ver a indiferença tomar ares épicos. Tomo como exemplo ‘O Processo’. Na obra, um homem é processado sem saber o porquê procura entender o crime que cometeu sem ter cometido crime algum. Ele recebe menosprezo de seus detratores, amigos, família… todos. É visível durante a obra uma desconstrução de sua personalidade até sobrar nada mais do que algo, não alguém. O mesmo aconteceu com ‘monstro’ erudito do doutor Frankenstein. Foi o desprezo, o preconceito, generalização e discriminação que o transformou numa criatura cruel.

Não é preciso morrer de amores por alguém que lhe escreve um ‘oi’ e você por educação lhe retribui com outro singelo ‘oi‘. Nunca soube de alguém que morresse por ser gentil, educado. Sejamos gentis nem que seja para dizer “gostaria que você não me escrevesse mais, ok?”. Acredite, isso soa mais ‘delicado’ do que o silêncio da indiferença.

A multiplicidade aplicativos que nos conectam, carregam em seu DNA, como se projetados de fábrica, o recurso do desdém. É óbvio que não é uma boa ideia dar corda para aquele chato que a todo custo quer sair com você (Desfazer amizade e/ou bloquear são cortesias dos aplicativos). Mas pior ainda é silenciar diante das conexões virtuais. Estar conectado com todos é, ao mesmo tempo, não estar com ninguém. Não são poucos os que abdicam da vida social para viver atrás de um avatar que lhes garanta o anonimato. Ledo engano. Estamos todos mergulhados, alguns mais, outros menos, no lago da decisão alheia. Ele vai me responder? Ela vai me ligar? Poxa, não custa nada. E assim dependentes de palavras vindas do outro lado da tela permanecemos ansiosos e reféns da indiferença.

Utilizo como exemplo algo que foi fantástico aos meus olhos. Enviei no modo ‘mala direta’ por e-mail algumas dicas de filmes e livros para várias pessoas. Nessas ocasiões é ‘normal’ não se esperar respostas. Mas a minha surpresa foi quando uma colega de livre vontade, com sua educação peculiar, me respondeu agradecendo as dicas.

É assim com pequenos gestos de atenção e respeito pelo outro que a sociedade muda. Se o desdém, a indiferença, a insensibilidade podem matar almas; gestos de educação podem revigorá-las. E isso vale mais que mil beijos.

Texto de Israel de Sá (Adaptado)

Fonte: https://www.revistapazes.com/nao-e-distancia-que-separa-as-pessoas-e-o-tanto-faz/

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Educação, Motivação e crescimento humano, Psicologia e comportamento. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Não é a distância que separa as pessoas. É o “tanto faz” – Veja que texto atual e pertinente!!!

  1. dulcedelgado disse:

    Assunto bem pertinente, esta espécie de indiferença que cresce por aí e vai “infetando” demasiados. Mesmo aqueles que não esperaríamos.
    Há tempo para tudo o que é redes sociais ..mas quantas vezes não há uns simples segundos para dar uma resposta ou agradecer algo. Nunca compreenderei.

  2. Jose Paes Landim disse:

    0 problema, a nosso ver, não está na Internet e nem nos avanços tecnológicos ou novidades outras que vêm surpreendendo o.mundo com os inesperados e referidos avanços tecnológicos, mas em nossa capacidade de adequação a cada realidade, por força de tais mutações. Vamos começar pela Civid-19: se ela por um lado nos impôs o isolamento, por por outro lado nos aproximou da família, contemplando- nos, ainda, além desse prazer, com maior disponibilidade do tempo, para abraçar os amigos, conquanto virtualmente pelo WhatsApp ou pelo telefone, porém com o mesmo prazer e efeito, como se presencialmente houvesse ocorrido. Felizes aqueles que têm maior capacidade de se adequar às surpreendentes mutações pelas quais vem passando o mundo, lamentando-se apenas que tal realidade não nos tenha chegado .para melhorá-lo fazendo com que ele desembarque da comprometedora inversão dos valores que.dignificam o ser.humano.

  3. JCDattoli disse:

    É isso, amigo, tem razão quanto à maior convivência com amigos e familiares, observada na pandemia. Acontece que muita gente dá prioridade à quantidade dos contatos, das mensagens etc. e se esquece da qualidade, das boas relações, Ser caloroso virtualmente é possível e desejável, também. Talvez a inversão de valores que você menciona seja o pano de fundo para essa realidade dos dias atuais.
    Muito grato pelo comentário, grande Landim!
    Abraços

  4. ANTONIO CARLOS DOS SANTOS ANDRADE disse:

    Gentileza gera gentileza, já dizia o profeta.

  5. Lúcia Laborda disse:

    A verdade é que estamos vivendo um tempo muito superficial!
    Eu não tenho muito jeito para passar horas na internet, nem troco um amigo físico, pelo virtual, a menos que seja necessário. Jamais um contato físico, pra mim, será substituído pelo virtual. Eu gosto de dar bom dia e boa noite, para saber dos meus amigos e fazê-los entender, que não estão esquecidos, mas aguardando uma oportunidade de estarmos juntos, revivendo um tempo maravilhoso, que fez parte da nossa história.
    Penso que as relações em redes sociais, são frias; se conhece muita gente, mas de fato nem as conhecemos. Tudo é muito superficial. Nada dessas coisas pra mim, vai substituir um bom papo, boas risadas, um brinde e calor humano, porque tudo isso, só é possível num encontro físico.
    Bela abordagem sobre esse assunto atual.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s