“Simplificar a vida: ser menos caracol e mais borboleta” – reflexão impactante (vídeo)!

O passar dos dias, meses, anos nos proporciona um acumulado de experiências, positivas e negativas em sentido amplo. Essa realidade acaba propiciando, naturalmente, um repertório de conhecimentos e preparo mental que permite à pessoa fazer melhores escolhas, rever hábitos e o estilo de vida. Cabe a cada um, a seu juízo e no exercício do seu livre-arbítrio, fazer uso desse conjunto adquirido com o tempo.

Em outras palavras, a realidade da vivência acumulada acaba determinando novo nível de mentalidade e redirecionamentos na forma de viver de muitas pessoas, notadamente na fase da maturidade, com a adoção de boa dose de desapego em relação a coisas materiais, a certos padrões sociais e à chamada ostentação, privilegiando assim, com maior clareza, a busca pela simplicidade, pela leveza, pelo autoconhecimento e por outros atributos importantes para o bem viver.

Nessa linha, trago hoje o vídeo “Simplificar a vida depois dos 60“, com impactante depoimento de Cláudia Grande, ex-empresária e criadora do site Projeto 60 anos.

O vídeo é inspirador. São 4min08 de uma conversa muito legal, cuja mensagem nos convida a refletir. Está publicado no YouTube, canal 50 e Mais.

Assista:

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Meditação e Espiritualidade, Motivação e crescimento humano, Psicologia e comportamento, Vídeos diversos e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para “Simplificar a vida: ser menos caracol e mais borboleta” – reflexão impactante (vídeo)!

  1. Jose Paes Landim disse:

    Gostei do “Ser menos caracol e mais borboleta”. Figura poética é filosófica. Esta é o tipo de mensagem que, repetitivamente, deveria ser repassada à sociedade de consumo, extremamente equivocada sobre os enriquecedores valores. É uma pena que, em tais valores, guardando- se as honrosas exceções, não embarque a sociedade de consumo atual. Que se levante um brinde à simplicidade na vida.

    • JCDattoli disse:

      Exato, amigo. Que prevaleçam, cada vez mais, os valores simplicidade e leveza. A sociedade em geral chegou a tal ponto, até antes da pandemia, que eu ficava imaginando um movimento do tipo “detox de consumo”. Vamos observar se houve avanços de agora em diante!

  2. claudio vieira disse:

    olá caro amigo,
    neste momento ( ontem mesmo,26.10.21 ) ,estivemos conversando sobre o projeto futuro de nossas vidas , e um deles é mudar de cidade , para uma casa menor que a atual ( que já temos comprado inclusive )
    -não há duvida que numa certa idade , menos é mais . Sem mais nem menos

    abraços fraternos

    • JCDattoli disse:

      Bom saber, prezado Claudio, dessa decisão para um estilo de vida de maior leveza. Parabéns!
      Também tenho pensamentos nessa linha. A idade vai avançando e esse parece ser o modo de viver mais consentâneo.
      Forte abraço

  3. dulcedelgado disse:

    Penso que, no geral, este é um sentir que vai naturalmente ocupando a nosso ser à medida que o tempo e os anos avançam.
    E creio que é algo que o facto de termos passado pela pandemia veio acelerar, pois tivemos a oportunidade de fazer “limpeza à tralha”, surgindo muitas vezes o tal “para quê”.
    E curiosamente, quando houve oportunidade de voltar a adquirir algo, simplesmente questionei-me com um “será importante?”
    A resposta tem sido “não, não é importante”.
    Pessoalmente, estou a gostar desse “despegar material” (apesar de nunca ter sido uma consumista).
    Mas realmente agora preciso de muito menos, aliás… de muito pouco mesmo.
    (Revi-me muito em vários aspectos deste vídeo).
    Obrigada por partilhar!

    • JCDattoli disse:

      Obrigado a você, Dulce. Muito bom e oportuno o seu depoimento. O fato é que, numa regra amplamente comum quanto ao jeito de ser dos povos ocidentais, muita coisa que mantemos em nossa casa perde real utilidade com grande rapidez.
      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s