Os segredos da longevidade em algumas regiões do planeta!

A propósito do tema Longevidade, volto a dar destaque para as regiões com maior número de idosos (acima de 90, de 100 anos) no planeta, as chamadas “blue zones”, já referidas aqui no blog em outras postagens.

E o principal interesse é buscar explicações para essa longevidade. A respeito do assunto, encontrei recente e interessante artigo, publicado no Blog Maturi (maturi.com.br), cujo teor vou transcrever abaixo. Como será visto, a editora e produtora Silvia Triboni, que assina o texto, vai fazer visita in loco para desvendar melhor as pesquisas existentes e as realidades locais, começando pela Sardenha, na Itália.

Vale realçar que, segundo os pesquisadores desses povos longevos, sabe-se que o fator “genética” é responsável por não mais do que 10% dessa realidade de vida longa. Ou seja, há um vasto campo de fatores preditores aí, muitos dos quais indicados na publicação.

Confira o artigo:

“Blue Zones: rumo à Sardenha

Por Silvia Triboni

blue zones

Você sabia que existem 5 regiões do mundo onde as pessoas chegam aos 100 anos, ou mais, e com muita saúde? São as chamadas Blue Zones. Embarque comigo nesse aprendizado sobre os achados e descobertas das pessoas super longevas, habitantes de lugares incríveis que tanto despertaram o interesse de pesquisadores do envelhecimento.

Blue Zones: Sardenha: lá vou eu!

Tenho grande interesse por tudo que possa inspirar a construção de um bom envelhecimento, razão pela qual saber mais sobre as Blue Zones me despertou uma grande vontade de conhecer os estudos e as pessoas avaliadas pelos pesquisadores que identificaram estes povos extraordinários.

O trabalho por eles já realizado é vasto, e as Blue Zones, onde as pessoas centenárias vivem, estão espalhadas pelo mundo. Assim, para que eu pudesse me aprofundar no assunto, precisei de muito esforço, dedicação e disposição para viajar. Arrumei as malas e decidi começar a minha exploração rumo aos segredos da vida longa e saudável.

O ponto de partida foi saber mais sobre a Sardenha, na Itália, a primeira região declarada Blue Zone.

Não posso esconder que iniciei meus estudos pela Sardenha por interesse pessoal, já que sou cidadã italiana e sinto-me feliz por imaginar que meus ancestrais possam ter vivido naquela ilha italiana. Quem sabe eu, e meus filhos, possamos ter herdado alguma condição que nos ajude a viver longamente e com saúde. Será?

Será que o fator genético é significativo para que os habitantes das Blue Zones vivam tão bem e por tanto tempo? Da leitura deste artigo você saberá a resposta. Siga lendo:

Mas, quero contar que já tenho passagem comprada para a Sardenha, e, em breve, e se tudo correr bem quanto às restrições impostas pela pandemia, Blue Zones: Sardenha lá vou eu!

Enquanto ainda não cheguei lá, preparei uma síntese sobre as Blue Zones para que você fique por dentro e me acompanhe nessa nova aventura que, ao final, nos proporcionará conhecimento, aumento da auto estima e, quem sabe, algo mais para que nos leve a viver até os 100 anos com saúde e alegria.… ou mais!

O que são e como surgiram as Blue Zones?

Blue Zones (zonas azuis) é um termo não científico dado a regiões geográficas que apresentam habitantes que atingem idades muito mais elevadas em comparação ao resto do mundo. São pessoas que vivem com mais de 90 e 100 anos.

O termo apareceu pela primeira vez no artigo do jornalista Dan Buettner, de novembro de 2005 da revista National Geographic, “The Secrets of a Long Life”.

O conceito das Blue Zones surgiu a partir do trabalho demográfico feito pelos pesquisadores Gianni Pes e Michel Poulain descrito no jornal Experimental Gerontology,  que identifica a província de Nuoro na Sardenha como a região com a maior concentração de homens centenários. (fonte: Wikipedia).

As 5 Blue Zones, descritas por Buettner são:

  1. “Icaria (Grécia)
  2. Ogliastra, Sardenha (Itália)
  3. Okinawa (Japão)
  4. Península de Nicoya (Costa Rica)
  5. Os Adventistas do Sétimo Dia em Loma Linda, Califórnia (EUA)

*Embora essas sejam as únicas áreas discutidas no livro de Buettner, já se sabe que há outras áreas com pessoas 100+ a viverem com qualidade de vida ímpar.

Sardenha – a primeira Blue Zone identificada

O trabalho inicial que inspirou Dan Buettner a pesquisar e escrever sobre as Blue Zones decorreu dos resultados das pesquisas de dedicados estudiosos da vida dos habitantes da Sardenha, na Itália.

Tudo começou em 2004, na ilha da Sardenha, quando uma equipe de pesquisa com profissionais de diferentes áreas começou a investigar uma peculiaridade genética rara de seus habitantes: o marcador M26. Constataram que este gene é ligado a longevidade excepcional dos residentes daquela ilha, um gene que permaneceu imutável nos habitantes daquele lugar.

Entretanto, descobriram, também, que não só a genética dos sardos era responsável pela longa e saudável vida dos habitantes. Constataram ser a vivência cultural isolada razão de terem até hoje um estilo de vida saudável e muito tradicional. Caçam, pescam e colhem os alimentos que comem. Eles permanecem próximos de amigos e familiares ao longo de suas vidas. Eles riem e bebem vinho juntos.

E ainda, segundo os pesquisadores, na Sardenha a demência em seus habitantes centenários é algo raro. É fato que o envelhecimento afeta as nossas funções cerebrais, sendo estimado que 60 a 70% das pessoas idosas sofram com demência. Entretanto, naquela ilha somente 1/3 da população tem demência, ou seja, 2/3 dos sardos  possuem capacidades cerebrais normais.

Por que essas regiões de chamam Blue Zones?

Vimos até aqui que a Sardenha foi a primeira região identificada como Blue Zone, sendo o Professor Giovanni Pes um dos pioneiros das pesquisas e dos achados. É interessante saber a razão da escolha do nome “Blue Zones” para identificar as localidades de pessoas ultra longevas.

Segundo Pes, a escolha da cor azul (blue) decorreu das marcações que faziam nos mapas para identificar demograficamente onde os estavam as pessoas 100+. Não foi inspirado pelos mares azuis claros, ou pelo azul do céu da Sardenha, mas sim porque marcava um ponto no mapa com um marcador azul cada uma das pessoas que identificava.

Depois de 6 meses, uma nuvem de pontos azuis se formou no mapa e aí decidiram chamar de zona azul (Blue Zone) onde os longevos se aglomeravam.

“Era apenas a única cor de caneta que ele tinha em sua mesa. Um por um, os pontos azuis se acumularam até surgir uma névoa de tinta azul cobrindo uma área geográfica. Esta neblina, depois de muito ceticismo e descrença, mais tarde se tornaria a primeira Zona Azul do mundo. “

Giovanni Pes é pesquisador sênior do Departamento de Medicina Clínica e Experimental da Universidade de Sassari, Sardenha, Itália, cofundador da Blue Zone da Sardenha e expert em longevidade.

Em entrevista concedida ao site Preferred Magazine, Dr. Pes afirmou: “Durante décadas, acreditava-se que a longevidade era atribuída a fatores genéticos, mas a variabilidade da vida útil, segundo estudos recentes, mostra que aproximadamente 10% é atribuída aos genes. O resto depende de fatores não genéticos.”

Quais são os fatores não genéticos que garantem a longevidade na Sardenha?

Na entrevista citada, o ilustre Professor Pes revelou valiosas informações acerca do estilo de vida do povo centenário sardo (da Sardenha). Veja só:

Acho que podemos aprender muito com centenários da Sardenha”.

A sopa da Sardenha, a clássica minestrone, por exemplo, é rica em vegetais e batatas. Às vezes as batatas não são consideradas saudáveis porque podem aumentar o nível de açúcar no sangue, mas como os centenários colocam um pequeno pedaço de banha na minestrone, essa banha diminui a absorção de açúcar, de modo que até mesmo as batatas podem ser consideradas bastante saudáveis, pelo menos na sopa da Sardenha.

Minhas recomendações são essencialmente três:

  • Aumentar a atividade física. Acorde de manhã cedo, caminhe de forma consistente sem interrupção.
  • Coma alimentos produzidos localmente, como queijo, coma carne (muito raramente). Durante minha entrevista com centenários da Sardenha, descobri que o consumo de carne variava entre 2-3 vezes por mês.
  • Troque leite de vaca por leite de cabra. Os sardenhos consomem queijo de cabra e leite com muita frequência. O leite de cabra é útil para melhorar o metabolismo e melhorar a saúde geral de uma pessoa. Sim, mesmo que o queijo não seja muito leve. Centenários comem queijo diariamente em quantidades limitadas. Eles nunca comem queijo de vaca, apenas queijo de ovelha ou cabra, que são comprovadamente mais saudáveis que queijo de vaca. O importante é evitar queijo de vaca e leite.”
  • Ame os seus amigos e os seus familiares
blue zones

Imagem: https://www.bluezones.com/exploration/sardinia-italy/

O que comem os Sardos?

Das orientações que recebemos do Professor Giovanni Pes, vimos que a típica alimentação do povo sardo é uma das fontes primordiais para se ter uma vida longeva e com saúde. Assim, vale a pena destacar alguns itens da alimentação clássica do povo sardo:

  • Pão integral, feijão, vegetais orgânicos, frutas e, em algumas partes da ilha, óleo de aroeira.
  • Tradicionalmente os sardos também comem queijo pecorino feito de ovelhas alimentadas com capim, cujo queijo é rico em ácidos graxos ômega-3.
  • Leite de cabra que possui propriedades que podem ajudar a proteger contra doenças cardíacas e Alzheimer.
  • Comem carne pouco frequentemente.

Beba um ou dois copos de vinho tinto diariamente

E como bons italianos, os sardos bebem vinho com moderação, bebem o vinho Cannonau que tem duas ou três vezes o nível de flavonóides em relação aos outros vinhos.

Feito de uvas grenache vermelhas, o vinho Cannonau é um dos elixires da longevidade do povo sardo. Segundo os pesquisadores, os super longevos da Sardenha bebem um copo ou dois diariamente.

Conclusão:

Após estas valiosas informações e recomendações acredito que você tenha ficado inspirado por saber mais sobre os habitantes das Blue Zones e quererá saber mais a respeito.

De minha parte, comprometo-me a contar tudo o que ver, aprender e experimentar em minha exploração na Sardenha, para todos nós tenhamos uma vida longa e plena de saúde e felicidade.

Vibre por mim, e, como dizem os sardos: “A Kent’Annos”– Que você viva até os 100!

Fonte: https://www.maturi.com.br/longevidade/blue-zones/

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Motivação e crescimento humano, Psicologia e comportamento, Saúde e marcado , . Guardar link permanente.

4 respostas para Os segredos da longevidade em algumas regiões do planeta!

  1. dulcedelgado disse:

    E sempre bom ler mais estudos sobre estes oasis de longevidade!!

  2. Sandra Fayad Bsb disse:

    As receitas parecem simples, fáceis. Será que é só isto mesmo ?

    • JCDattoli disse:

      Exato, Sandra. Parecem simples, fáceis e com bastante lógica. Muita coisa aí casa com a propalada dieta do mediterrâneo. Além disso, creio que os hábitos, incluindo rotinas de atividades e de relacionamentos, façam muita diferença positiva. Tudo isso pode ser aplicado, com as devidas adaptações. De todo modo, vamos observando, no aguardo das informações complementares que chegarão. Obrigado pelo comentário!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s