’12 Fatos importantes sobre doenças mentais’ – Bom saber!

Apesar de a quantidade de pessoas com doenças mentais seguir crescendo em todo o mundo, conforme apontam seguidas pesquisas, é fato que ainda predominam muita desinformação, desconforto, estigmas sociais e até mesmo certo tabu para se falar e se pedir ajuda a esse respeito. Não custa lembrar que a lista das referidas doenças é longa, a exemplo da esquizofrenia, do transtorno bi-polar, do transtorno obsessivo-compulsivo, da depressão, da ansiedade (aí incluída a síndrome de pânico). 

Diante de tal contexto, sempre que houver oportunidade devemos trazer informações e esclarecimentos com o objetivo de aumentar o nível de conscientização geral sobre o tema. Assim, para hoje, reproduzo interessante matéria publicada, dias atrás, no site Tudo Por Email, cobrindo 12 aspectos esclarecedores sobre doenças mentais.

Confira a seguir:

“12 Fatos importantes sobre doenças mentais

De todas as condições médicas, a saúde mental tem a pior reputação. Muitas vezes, é má interpretada ou descartado como falsa ou não científica, e os pacientes são vistos como fingindores dissimulados ou exagerando para chamar atenção. Embora seja definitivamente verdade que a saúde mental esteja entre os campos menos compreendidos da medicina, também é impossível ignorar doenças mentais, como qualquer pessoa que já tenha experimentado ou testemunhado depressão, ansiedade ou qualquer outra condição mental saberá.

A conclusão é que o fato de você não poder observar algo sob o microscópio não significa que seja menos real ou sério, e acreditamos firmemente que todos ganharão muito ao saber mais sobre saúde mental, especialmente porque problemas são tão comuns. Aqui estão 12 fatos sobre doenças mentais que todos deveriam conhecer.

1. Transtornos da saúde mental são mais comuns do que você imagina

Para início de conversa, o distúrbio mais comum é o transtorno de ansiedade e pânico, com cerca de 18% da população nos EUA sofrendo da doença de acordo com a Associação de Ansiedade e Depressão da América. Destes, apenas 36% procuram tratamento, apesar de estar entre os problemas de saúde mental mais tratáveis. Os números falam por si. De acordo com MentalHealth.gov, 1 em cada 5 adultos americanos teve um sério problema de saúde mental em algum momento de suas vidas e 1 em cada 25 vive com uma doença mental grave (por exemplo, transtorno bipolar, esquizofrenia, depressão profunda). Finalmente, o suicídio é a 10ª principal causa de morte nos EUA, o dobro de homicídios a cada ano.

2. É possível prevenir doenças mentais

Fatos sobre doenças mentais

Certamente, é verdade que existe um componente genético e hereditário nos problemas de saúde mental, mas esses são apenas um dos fatores que contribuem para tornar uma pessoa suscetível a doenças mentais específicas. Os demais fatores que afetam a saúde mental, como trauma, ambiente seguro e de apoio, dieta saudável, abstinência de álcool e drogas recreativas e estilo de vida ativo são todos ambientais e podem ser tão importantes quanto a predisposição hereditária. É de importância fundamental criar crianças e adolescentes em um ambiente seguro e positivo e priorizar um estilo de vida saudável, especialmente se você souber que uma criança corre o risco de desenvolver doenças mentais.

3. Fraqueza ou força de caráter não tem nada a ver com saúde mental

Um equívoco comum sobre a doença mental é que ela decorre de uma falta de caráter e autodisciplina, e se as pessoas que sofrem de uma condição mental se esforçarem mais, poderão voltar ao normal. Esse equívoco resulta da crença de que as condições mentais se originam das emoções; portanto, por exemplo, uma pessoa que sofre de depressão é apenas triste ou preguiçosa, ou alguém que está em surto maníaco é apenas cabeça-quente ou zangado.

Infelizmente, as coisas não são assim tão simples, pois nenhuma autodisciplina pode desfazer o trauma ou regular os distúrbios neuroquímicos no cérebro de uma pessoa, os quais são os principais fatores físicos contribuintes da doença mental. Por esse motivo, não exija de uma pessoa com um problema mental que resolva sozinha seu problema, dê apoio e sugira que procure ajuda profissional.

4. É possível recuperar-se completamente de algumas doenças mentais

 

Outro equívoco persistente sobre a doença mental é que é irreversível, o que significa que uma pessoa que sofre de problemas de saúde mental nunca se recuperará. Isso também não é verdade e muitos pacientes se recuperam completamente ou melhoram muito se recebem tratamento e o apoio social de que necessitam. A probabilidade de recuperação total dependerá do tipo de condição, do estágio de desenvolvimento da referida condição, bem como o tratamento e apoio que o paciente recebe. É por isso que é sempre bom recorrer a profissionais de saúde mental e procurar tratamento o mais rápido possível.

5. Pessoas que sofrem de doenças mentais podem ter empregos em período integral, como todo mundo​

Fatos sobre doenças mentais

Como mencionamos anteriormente, o número de pessoas que sofrem de problemas de saúde mental é enorme. De fato, quase todo mundo sofre de algum tipo de doença mental em algum momento de suas vidas, e até 1 em cada 10 jovens teve depressão profunda. Desnecessário dizer que a maioria dessas pessoas tem vidas, famílias e empregos.

Muitos pacientes psiquiátricos são produtivos e conseguem manter empregos em período integral sem absenteísmo frequente e outros efeitos colaterais negativos de sua condição, uma vez que a gerenciam efetivamente. Além disso, ter uma renda estável e manter a atividade social é altamente benéfico para pessoas que sofrem de problemas de saúde mental.

6. As crianças, como pessoas de todas as idades, podem passar por ​problemas de saúde mental

Muitas doenças mentais se manifestam na forma de sinais e sintomas precoces durante a infância ou juventude, e existem alguns distúrbios, como o autismo, que começam na primeira infância. Estima-se que 50% de todas as doenças mentais exibem os primeiros sintomas antes dos 14 anos e 75% delas começam antes dos 24 anos. É lamentável que a maioria desses sintomas precoces não receba a atenção necessária, até que doença atinja seu estágio desenvolvido, quando o paciente procura tratamento. Pelo lado positivo, as estatísticas do diagnóstico precoce estão melhorando, e um número crescente de pacientes tem um prognóstico melhor e, consequentemente, uma chance de uma vida bem mais plena.

7. O estigma é um dos maiores problemas para pessoas com problemas de saúde mental

Realmente, a aceitação social é incrivelmente importante para qualquer ser humano, portanto, não é de surpreender que as pessoas que sofrem de problemas de saúde mental tenham vergonha de discutir sua condição com outras pessoas. Os pacientes têm medo de serem diagnosticados, porque isso pode custar-lhes o emprego, a família e o círculo social. Mas os efeitos adversos do estigma relacionados ao campo da saúde mental, em geral, são muito mais abrangentes, pois muitos pacientes recusam-se a seguir o tratamento necessário devido ao medo de serem rotulado de ‘loucos’ ou ‘psicopatas’, o que diminui a chance de recuperação total. A aceitação e o entendimento das conexões sociais do paciente são fundamentais para ajudar na recuperação e no bem-estar a longo prazo, além de prevenir o suicídio.

8. A genética sozinha não pode desencadear doenças mentais​​

 

Ao contrário da crença popular, a grande maioria das condições mentais não é genética. Todas são adquiridas, embora algumas tenham um componente genético mais forte do que outras. Mesmo o autismo, cujos primeiros sintomas geralmente são exibidos aos 8 meses, ocorre como resultado de predisposição genética e anormalidades durante a gravidez e o parto, o que torna uma condição inata, mas não genética.

O componente genético para outras doenças mentais, como transtorno bipolar, depressão, esquizofrenia etc., é ainda menor que isso e, como resultado, essas condições são evitáveis, assim como muitas condições físicas adquiridas, como doença pulmonar obstrutiva crônica, cirrose ou diabetes tipo 2.

9. Exercícios têm um efeito surpreendentemente benéfico na saúde mental​

Muitas pessoas subestimam o efeito benéfico de boas mudanças de estilo de vida na saúde mental. No entanto, a realidade é que manter uma vida física e socialmente ativa, ter uma dieta saudável e até passar um tempo na natureza pode ajudar seus sintomas.Por um lado, descobriu-se que exercícios podem melhorar os sintomas de ansiedade, depressão e TDAH, provavelmente porque sejam conhecidos por aliviar o estresse, melhorar o humor e melhorar o sono. Tenha em mente que todas as atividades e hábitos que mencionamos também são bons métodos preventivos.

10. Não há ligação entre criatividade e doença mental

Fatos sobre doenças mentais

Se pedimos que você cite pelo menos alguns artistas famosos que sofriam de doenças mentais, temos certeza de que você se lembrará de vários exemplos: Van Gogh, Hemingway, Sinatra, Virginia Woolf, Robin Williams, a lista vai longe … Isso leva à pergunta: “Existe uma ligação entre doença mental e criatividade?”

Felizmente, temos uma resposta pronta, e é um ‘não’ definitivo. Há quase um século de estudos científicos para apoiar essa afirmação. Pessoas que sofrem de doenças mentais não são mais criativas do que aquelas que não sofrem, e, inversamente, mentes artísticas não são mais propensas a sofrer de uma condição mental do que as não-criativas. Por fim, se você for um artista e tomar remédios para resolver um problema mental, isso não afetará diretamente o seu nível de criatividade.

11. Doença mental, deficiência intelectual e dano cerebral não são as mesmas coisas

Esse é outro equívoco popular, e reconhecemos de onde vem, pois muitas vezes acontece que pessoas com danos cerebrais ou déficits cognitivos têm problemas de saúde mental, e também é o caso de doenças mentais em estágios avançados que podem causar danos cerebrais. O que complica essa pergunta é que muitos distúrbios cerebrais podem ser acompanhados por episódios psicóticos ou transtornos do humor. Por exemplo, a doença de Parkinson avançada geralmente causa alucinações, delírios e psicose. Ainda assim, isso não significa que as doenças neurológicas e psiquiátricas sejam iguais, apenas mostra que as mudanças estruturais e funcionais no cérebro influenciam nossa saúde mental.

12. A privação do sono afeta a saúde mental

Vivemos em uma sociedade que geralmente valoriza mais a produtividade e o trabalho duro do que a saúde. A verdade é que, ao privar-se do sono ou dormir demais, você pode se arriscar. De fato, uma pesquisa da Universidade de Harvard mostrou que 65-90% dos adultos com depressão profunda também sofrem de problemas de sono. Isso ocorre porque o sono REM promove aprendizado, memória e bem-estar emocional, e a falta dele, como sugerem os autores, pode piorar ou até potencialmente desencadear doenças psiquiátricas. Então, afofe os travesseiros e tenha uma boa noite de sono.

Veja a matéria original em: https://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=14919

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Educação, Psicologia e comportamento, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s