‘Essas coisas que você nunca vai se arrepender’

Neste começo de semana, trago um convite para a sua reflexão sobre questões essenciais a respeito da vida, que para muitos somente ganham importância nos momentos final da existência. 

Refiro-me ao texto abaixo reproduzido, do argentino Sergio Sinay, publicado no site Portal do Envelhecimento, que se inspirou no livro A Roda da Vida, escrito pela médica suíça Elisabeth Kübler-Ross. Pode-se inferir que o propósito maior do texto é chamar a atenção do leitor para um viver pleno e virtuoso, ou dito de outra maneira, para uma jornada consciente, voltada para o bem da humanidade, assentada no uso responsável do livre arbítrio de cada indivíduo. 

Vale a leitura. Confira:

“Essas coisas que você nunca vai se arrepender

Os moribundos não lamentaram não terem ficado mais horas na frente da televisão, mergulhado mais no trabalho, se dedicado a acumular mais dinheiro, se envolvido em disputas mais inúteis por razões banais, não terem passado mais horas de sua vida discutindo política ou políticos, acumulado mais bens materiais… Coisas sem sentido.

Sergio Sinay (*)

A médica suíça Elisabeth Kübler-Ross (1926-2004) dedicou sua vida, desde muito jovem, a acalmar a dor humana no trânsito final da existência. Seu trabalho com pacientes terminais facilitou bastante a passagem de milhares de pessoas à morte, o mais profundo mistério que os humanos enfrentam. “Meus pacientes que morreram nunca melhoraram fisicamente, mas todos melhoraram emocional e espiritualmente”, escreve Kübler-Ross em A Roda da Vida, sua autobiografia exemplar e comovente. Ela acrescenta:

“Meus pacientes moribundos me ensinaram muito mais do que o que é morrer. Eles me deram lições sobre o que poderiam ter feito, o que deveriam ter feito e não fizeram até que fosse tarde demais, até que estivessem doentes ou fracos demais, até que eram viúvos ou viúvas. Eles me ensinaram coisas que faziam sentido, não sobre como morrer, mas sobre como viver “.

Elisabeth lembra que ninguém naquele último transe lamentou que não tivesse ficado mais horas na frente da televisão, por não ter mergulhado muito mais no trabalho, por não ter se dedicado a acumular mais dinheiro, por não ter se envolvido em disputas mais inúteis por razões banais, de não ter passado mais horas de sua vida discutindo política ou políticos, de não ter acumulado mais bens materiais.

Hoje eu poderia acrescentar que ninguém reclamou de não ter ficado imerso por mais tempo nas redes sociais, de não ter passado mais horas no WhatsApp, de não ter viralizado mais memes bobos e sem graça, mais notícias falsas, mais fofocas sobre pessoas conhecidas ou desconhecidas, ninguém se queixaria de não ter prejudicado mais reputações, de não ter perdido mais tempo se entregando a bebidas, acumulando ressentimentos ou em compras no shopping.

É possível intuir, a partir das experiências relatadas por essa médica, que ninguém – ou muito poucas pessoas – estaria, no momento final, procurando o culpado de sua vida não realizada. Porque esse culpado não existe. Mas, sim, existe um responsável. “O maior presente que Deus nos deu”, escreve Kübler-Ross, “é o livre arbítrio. Mas essa liberdade exige responsabilidade, a responsabilidade de escolher o certo, o melhor, o mais atencioso e respeitoso, para tomar decisões que melhorem a humanidade”. A pessoa responsável por sua própria vida é quem a vive.

Em tempos difíceis e turbulentos, como os que estão acontecendo hoje e aqui, há o desafio de imaginarmos nosso momento final e perguntarmos como distribuímos nosso tempo, nossas energias, nossa atenção, nossa intenção enquanto poderíamos fazê-lo. Embora cause alguma apreensão, este exercício pode nos colocar de frente com o nosso presente, para percebermos a maneira como estamos vivendo e como estamos atribuindo nosso tempo a nossas prioridades. Estamos atribuindo tempo ao que é urgente ou ao que é importante? Ao banal ou ao transcendente? Ao efetivo ou ao afetivo? Ao que nos intoxica ou ao que nos cura? Olhamos para o nosso umbigo ou olhamos nos olhos um do outro? Buscamos culpados ou nos fazemos responsáveis? Competimos ou cooperamos? Dedicamos tempo ao ressentimento ou à compaixão?

É preferível enfrentar essas perguntas hoje e não quando já seja impossível alterar as respostas. Talvez tenhamos que gastar mais tempo explorando essas respostas do que seguindo as vozes que nos levam a participar furiosamente de uma das muitas brechas oferecidas para cultivar o ódio, a intolerância e o fanatismo.

Talvez precisemos construir destinos mais comuns e fortalezas menos egoístas e à “prova de pessoas próximas”. Talvez tenhamos que dar menos atenção às canções de sereias de políticos e vendedores de várias fantasias, que não são sereias, mas tubarões vorazes, e abrir mais espaço para outras músicas, às da arte, às da alma. Talvez não devamos acreditar cegamente naqueles que, estúpidos, nos dizem que o principal é a economia. Seria muito triste ver que na hora final isso não importa, mas que não há mais tempo para reverter…

(*)Sergio Sinay nasceu em Buenos Aires, é escritor e jornalista, especialista em vínculos humanos. E-mail: sergiosinay@gmail.com. Texto publicado em La Nación, em 13/10/2019. Tradução livre de Dhara Lucena.

Fonte: https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/essas-coisas-que-voce-nunca-vai-se-arrepender/

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Livros e leitura, Meditação e Espiritualidade, Motivação e crescimento humano, Psicologia e comportamento. Bookmark o link permanente.

3 respostas para ‘Essas coisas que você nunca vai se arrepender’

  1. ORLANDO MATOS disse:

    É sempre útil a leitura de temas sobre como viver melhor, de modo que se possa fazer escolhas mais harmoniosas envolvendo nós, nossa família e nossos amigos. Espero que o livro A Roda da Vida nos ajude a encontrar as respostas para nossas indagações, pelo que deduzi da resenha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s