‘O futuro das habilidades profissionais e o desafio de desenvolvê-las’ (confira)!

Para quem atua profissionalmente com o desenvolvimento humano, há algumas décadas, em especial procurando contribuir com o crescimento das organizações pelo seu pilar “gente”, do topo à base, convencido de que o chamado ‘capital humano’ é fator decisivo para o sucesso de qualquer organização, fico feliz toda vez que deparo com discursos e textos que destacam e valorizam a importância do fator humano, nas suas mais diversas abordagens, notadamente com realce para as habilidades “não-técnicas”, que dependem muito das virtudes, de mentalidade positiva e das atitudes de cada indivíduo. 

Conforme assinalei em algumas postagens anteriores, a atuação profissional, a evolução na carreira e a absorção da pessoa pelo mercado serão cada vez mais resultantes da demonstrada capacidade: i) de relacionamento interpessoal em todos os níveis; ii) de gestão das emoções, para uma convivência equilibrada e de colaboração, que facilite a geração de resultados em ambientes de mudanças constantes e crescentes desafios; iii) de abertura da mente para novos aprendizados, para a inovação e para a superação de limitações e adversidades.

E é sobre isso que trata o excelente – e mais do que oportuno – artigo de Peterson Theodorovicz, publicado no site IT Forum 365, tendo por mote principal as habilidades profissionais a serem valorizadas no futuro, que reproduzo abaixo. O conteúdo vale para um repensar quanto aos currículos universitários e, igualmente, para os planos de carreira – projetos de evolução individual -, para pessoas de qualquer idade, incluindo (por que não?) os profissionais mais idosos que pretendem seguir ativos por muito mais tempo. 

Vale a leitura, sobretudo porque as tendências sinalizadas no texto, pelo que observo na mente de grandes líderes e de influentes especialistas, e até mesmo de movimentação em ambientes corporativos, são um caminho sem volta. Confira a seguir:

“O futuro das habilidades profissionais e o desafio de desenvolvê-las

O grande questionamento acerca das profissões do futuro consiste em quais habilidades devemos capacitar nossos alunos e funcionários.

*Peterson Theodorovicz

 Foto: Shutterstock

 

O grande questionamento acerca das profissões do futuro consiste em quais habilidades devemos capacitar nossos alunos e funcionários. Tal discussão norteia todas as hipóteses sobre a preparação das instituições de ensino e empresas para o amanhã.

Na era da quarta revolução industrial e com tecnologias gradativamente mais refinadas, empresas de todos os portes procuram estudantes e funcionários com habilidades interpessoais. Mas o que são essas habilidades? Como elas podem ser desenvolvidas e/ou ensinadas? É o que pretendemos discutir.

No último estudo da D2L, sobre o Futuro das habilidades na era da 4ª revolução industrial, exploramos os desafios trazidos pelas tecnologias disruptivas, como robótica e genética, e seu impacto no mercado de trabalho. O fato é que, apesar de as tarefas básicas de trabalho poderem (e já serem) facilmente executadas pela automação, outras habilidades são cada dia mais consideradas de alto valor.

As habilidades interpessoais, que envolvem a interação efetiva com outros seres humanos e a capacidade de se adaptar e de ter resiliência, são difíceis de medir, mas são essenciais para o sucesso de um negócio, seja qual for o segmento. A mentalidade adaptável, característica primordial das habilidades interpessoais, é uma das principais razões para o seu crescente valor no mercado de trabalho.

Em estudo realizado pela McKinsey & Company encontramos dados impactantes que estão alinhados ao debate sugerido pela D2L. De acordo com o estudo, aproximadamente 375 milhões de trabalhadores substituirão suas categorias profissionais até 2030, com ênfase na capacidade de se adaptarem ao dia a dia de coexistência com máquinas ultra capazes.

Uma pesquisa do LinkedIn descobriu que 57% dos líderes dizem que as habilidades interpessoais são mais importantes do que as habilidades técnicas. Devido à tamanha importância, tomamos a liberdade de chamar as habilidades interpessoais de “duráveis”, uma vez que são atemporais e não diferenciam categorias de trabalho.

Logo abaixo do guarda-chuva das habilidades duráveis, vem a inteligência emocional (EQ), cada vez mais importante e valorizada. Competências como colaboração, comunicação e empatia são características que contribuem para um trabalhador eficiente e flexível.

Um dos maiores desafios das habilidades duráveis, no entanto, é a dificuldade de desenvolvê-las. E essa dificuldade está integralmente ligada a um sistema de aprendizagem defasado, que enfatiza prioritariamente habilidades profissionais, competências técnicas ligadas a cada tipo de função exercida. Faz-se necessário uma mudança de paradigma, na qual a aprendizagem contínua, juntamente com o desenvolvimento de habilidades interpessoais, sejam o ponto crucial do sistema educacional.

As instituições de ensino precisam oferecer aos indivíduos recém‑formados uma vantagem competitiva na força de trabalho e isso significa obter não só habilidades profissionais, mas também habilidades duráveis relevantes para diferentes funções e tipos de empresas. Essa necessidade inclui:

Modificar a grade curricular dos cursos e programas de ensino superior para incluir o desenvolvimento de habilidades duráveis; Desenvolver programas que permitam que os funcionários retornem periodicamente ao sistema educacional com facilidade para que se atualizem ou obtenham novas habilidades. Sabemos que essa tarefa não é fácil, porém identificar os atributos necessários em um recém‑formado é um passo inicial e deve ser seguido pelo envolvimento do corpo docente para gerar suporte e compreensão. Exemplos de atributos incluem:

  • Pensamento crítico e capacidade de resolução de problemas;
  • Questionamento e aspiração;
  • Criatividade;
  • Comunicação eficaz e trabalho em equipe;
  • Liderança e proatividade;
  • Autoconhecimento e inteligência emocional.

No Canadá, por exemplo, cerca de 19 instituições incluíram em seu programa o curso de Tecnologia em Gestão de Negócios (TGN) a fim de transmitir aos profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicação habilidades interpessoais e de negociação que eles não possuíam originalmente na grade curricular.

Conforme as organizações educacionais de ensino superior iniciam a jornada pela reestruturação de seus programas para essa nova demanda de competências, as empresas também podem encontrar o caminho para oferecer treinamento corporativo mais eficaz e econômico nas próprias universidades.

O futuro das habilidades e competências pessoais é uma realidade que precisa ser discutida. Esperamos que este artigo sirva como ponto de partida para o diálogo sobre como desenvolvê-las.

*Por Peterson Theodorovicz, diretor da D2L Brasil

Fonte: https://www.itforum365.com.br/o-futuro-das-habilidades-profissionais-e-o-desafio-de-desenvolve-las/?utm_medium=10todaybr.20190924&utm_source=email&utm_content=article&utm_campaign=10today

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Educação, Liderança, Motivação e crescimento humano, O ser humano no contexto das organizações, Psicologia e comportamento. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para ‘O futuro das habilidades profissionais e o desafio de desenvolvê-las’ (confira)!

  1. Pingback: ‘O futuro das habilidades profissionais e o desafio de desenvolvê-las’ (confira)! — O Bem Viver – Ensinar e Educar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s