‘Reduzir o risco de problemas cardíacos e outras vantagens dos animais de estimação’

…”Além de louváveis filósofos da experiência, os animais são um ponto de acesso natural e genuíno à intimidade de nossos julgamentos, sensações e hábitos, pois revolucionam nossa química interna com o simples gesto de nos aproximarmos deles e tocá-los.”

Não é por acaso a boa sensação, a gratificação e amor despertado na raça humana pela convivência com os animais e, mais destacadamente, o crescente encanto que os pets despertam no relacionamento conosco.

Com efeito, estudos deixam claros, com base em evidências científicas seguidamente reforçadas, que são inúmeros os benefícios para a nossa saúde física e mental proporcionados pela experiência de observar e criar vínculos com animais (contemplar, acariciar, tê-los na companhia….).

Para reforçar e, possivelmente, para alguns, ter elevado o nível de convencimento a esse respeito, reproduzo o interessante artigo de Marta Rebón, publicado dois dias atrás no portal eletrônico do EL PAÍS/Brasil, trazendo mais revelações sobre o tema.

Vale a pena conferir:

“Reduzir o risco de problemas cardíacos e outras vantagens dos animais de estimação

Reduzir o risco de problemas cardíacos e outras vantagens dos animais de estimaçãoDiego Mir

Enquanto contemplar os peixes ajuda a baixar a pressão arterial, conviver com um gato reduz em até 30% o risco de problemas cardíacos. Por que os animais de estimação estimulam a liberação de endorfinas?

O reino animal sempre foi um espelho no qual a humanidade se olha para entender o mundo. Os animais estão presentes em mitos ancestrais que explicam a criação do universo, protagonizam nosso pensamento metafórico e até os fizemos falar em bestiários, fábulas, ditados, contos de fadas e distopias orwellianas. Ao observá-los, o ser humano encontrou uma extensa enciclopédia do comportamento: a fidelidade do cão, a nobreza do cavalo, a organização da formiga… Tudo que fazem obedece à certeza de que viver fora do presente é um luxo muito caro. Por isso, usam sua engenhosidade para superar obstáculos, têm a audácia de seguir seu instinto e cuidam daquilo que é importante em cada momento.

A atribuição de qualidades e características humanas aos animais é uma reação inata da psicologia, assim como a tendência de querer interpretar seus pensamentos. Estudos recentes demonstram que desde a infância nosso sistema nervoso responde de maneira preferencial à proximidade de um animal, principalmente a amígdala direita, encarregada de administrar a resposta emocional. Além de louváveis filósofos da experiência, os animais são um ponto de acesso natural e genuíno à intimidade de nossos julgamentos, sensações e hábitos, pois revolucionam nossa química interna com o simples gesto de nos aproximarmos deles e tocá-los. Contemplar o movimento hipnótico dos peixes faz nossa pressão arterial baixar, conviver com um gato reduz o risco de problemas cardíacos − segundo um estudo da Universidade de Minnesota − e acariciar um cão estimula o sistema imunológico. Os animais, com seus movimentos, cor, forma, textura, cheiro, som e calor, ativam, em suma, nossos cinco sentidos. Provocam em nós uma reação afetiva e cognitiva capaz de desbloquear a expressão de sentimentos de angústia. Ou, pelo menos, de apaziguá-los.

Diego MirDiego Mir

Isso não é negligenciado pela psicologia clínica. Tanto a relação afetiva especial que se cria com um animal como o bem-estar diretamente relacionado com ele são um campo de pesquisa ainda jovem. Embora sua companhia se utilizasse intuitivamente em sanatórios e hospitais para reconfortar os doentes, o valor terapêutico não foi estudado sistematicamente até o início dos anos 1950, quando o psiquiatra Boris Levinson percebeu a reação espontânea que seu animal de estimação provocou em uma criança autista na primeira visita a seu consultório. “Para minha surpresa, não se assustou – em vez disso, abraçou o cachorro e começou a acariciá-lo”, escreveu em seu célebre artigo The Dog as a Co-Therapist (“o cão como coterapeuta”). Levinson entrou no jogo e, graças à sua mascote, conseguiu estabelecer um vínculo com seu paciente. “O animal de estimação é uma ilha de sanidade no que parece um mundo de loucos”, afirmou. As relações interpessoais se caracterizam pelas expectativas que depositamos nelas, não isentas de decepções e de outros sentimentos negativos complexos, como inveja e ressentimento. Com os animais, pelo contrário, tudo parece mais simples, previsível e consistente, além de gratificante.

“Há pessoas que admitem que, ao não se sentir julgadas por suas mascotes, contam-lhes coisas jamais compartilhadas com outras pessoas”

“As pessoas que entrevistamos que convivem com animais afirmam, em sua grande maioria, que estes tiveram um efeito positivo em suas vidas”, comenta Jaume Fatjó, diretor da Cadeira Fundação Affinity Animais e Saúde da Universidade Autônoma de Barcelona, uma das pioneiras na Espanha no estudo da terapia com o auxílio de animais. “E mais: há quem admita que, ao não se sentir julgado, contou [ao animal] coisas que nunca compartilhou com outras pessoas.” Devido à nossa atração e curiosidade inatas pelos animais, “sua mera presença cria um ambiente de maior confiança e segurança, capaz de derrubar barreiras comunicativas entre o terapeuta e o paciente”, aponta Fatjó. Uma mascote desempenha, assim, o papel de ponte entre um e outro no tratamento de situações pessoais traumáticas ou em contextos sociais sensíveis, como prisões, asilos e lares desestruturados. “Nos casos de demência, constituem uma ajuda para a estimulação sensorial, e em crianças com distúrbios de desenvolvimento, ajudam no controle dos impulsos”, acrescenta o etologista. Mas esse não é um método que possa ser usado indiscriminadamente, é necessária uma abordagem caso a caso.

Contemplá-los nos devolve o valor da paciência, a importância do momento presente e a idiotice de nos levarmos muito a sério. Acariciar a pelagem de um gato, a carapaça de uma tartaruga ou a crina de um cavalo relaxa e estimula a secreção de endorfinas. E, como se isso não bastasse, o vínculo com os animais é um grande indicador de nosso respeito pelos outros. Kant já dizia que quem é cruel com os animais faz o mesmo com seus pares.

Confira a publicação original: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/24/eps/1553452382_723293.html?utm_medium=10todaybr.20190324&utm_source=email&utm_content=article&utm_campaign=10today#?ref=rss%26format=simple%26link=link

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Meio ambiente, Psicologia e comportamento, Saúde. Bookmark o link permanente.

2 respostas para ‘Reduzir o risco de problemas cardíacos e outras vantagens dos animais de estimação’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s