O CELULAR NO CONTROLE? (final)

Resultado de imagem para dependencia do telefone celularCrédito de imagem: Cultura Alternativa

Para concluir a abordagem sobre o fenômeno da excessiva conexão online com dispositivos eletrônicos e, em especial, pela crescente dependência dos smartphones, motivo da minha postagem de ontem (https://obemviver.blog.br/2018/11/05/o-celular-no-controle-uma-realidade-que-precisa-ser-percebida/), vamos fechar com dicas de algumas estratégias e possibilidades de ações práticas para minimizar essa preocupante constatação dos dias atuais, já denominada de “intoxicação digital”. Em alguma medida, espero que sim, as referidas sugestões podem ser úteis para você. Confira:

DETOX DIGITAL

Para quem demonstra alta dependência do celular, cujos sintomas podem ser: 1) conferir a telinha durante o tempo todo para ver o que está acontecendo, as notificações de amigos, as “curtidas” etc.; 2) ficar acordado até mais tarde, com o aparelho ligado, só para dar mais uma olhadinha nas redes sociais; 3) manter os olhos fixos naquela tela de menos de 6 polegadas, ainda que esteja no bar, em uma mesa cheia de amigos e chope gelado, mesmo que a conversa esteja animada… aí vão nove dicas para você diminuir o seu tempo online e, no particular, o uso dos smartphones:

1. Determine uma hora limite para manter o celular ligado à noite

Por exemplo: desligue o telefone sempre entre as 23h e a hora de acordar. Assim, você estabelece uma rotina para garantir algumas horas offline todos os dias. Com isso, entre outros benefícios, você melhora a qualidade do seu sono. Segundo os estudiosos, o brilho da tela tem a mesma tonalidade azul do sol nascente. Isso faz com que o cérebro entenda que é hora de parar de liberar melatonina (hormônio que ajuda o sono).

2. Crie momentos de liberdade e regras de conexão

Agende horários de desconexão. Por exemplo, evite levar o celular quando for praticar esportes. Também, aproveite o caminho de casa até o trabalho para ler um livro de papel. Outra estratégia é, durante feriados e fins de semana, evitar a utilização, tanto quanto possível, dos aplicativos que possam lhe causar estresse e ansiedade.

Adicionalmente, você pode estabelecer uma rotina de horários para usar e-mail, whatsapp e redes sociais. Combine essa regra com colegas, chefes, clientes para que saibam em quais momentos você estará disponível. Além do que, podem ser programadas respostas automáticas com os horários em que você irá responder às solicitações. Conheço diversas pessoas que já adotam práticas como essas.

3. Ignore o smartphone quando estiver com outras pessoas

Essa é uma verdadeira declaração de amor hoje: deixar o aparelho longe do alcance dos olhos, para prestar mais atenção na conversa do que na tela. Trata-se de atitude (singela) de “desconexão” que faz muita diferença nas relações interpessoais. Acima de tudo, demonstra educação, consideração e respeito para com o outro. Vale esse auto policiamento!

4. Evite comer em frente ao computador ou levar o smartphone para a mesa de jantar

Nutricionistas alertam que você come mais e pior quando não se concentra no alimento. Use esse tempo para conversar ou refletir. Dê o exemplo em casa, como convite para que os familiares façam o mesmo.

5. Bloqueie as notificações

Vale para aplicativos que não são fundamentais na sua rotina, como algumas redes sociais. Assim, você evita aquela distração com o celular piscando ou a tela inundada de alertas.

6. Estabeleça horários e um limite de tempo para navegar

Vale para redes sociais e sites de notícias. Se o objetivo é estar atualizado, uma sugestão seria, por exemplo: 30 minutos durante a manhã, mais 30 minutos depois do almoço e mais 30 minutos à noite.

7. Ignore as notificações na tela do smartphone, mesmo que se acumulem

Não é porque você recebeu um e-mail ou alguém comentou em uma foto sua no Facebook que precisa responder imediatamente. Relaxe.

8. Mantenha o telefone no silencioso durante o trabalho

Assim, você não se distrai com os sons das notificações nem atrapalha a atenção dos colegas ao redor.

9. Envolva as pessoas próximas

Como as pessoas hoje estão conectadas, com raras exceções, convide quem está perto de você para praticar a desconexão. Quando possível, vale manter o celular guardado, longe dos olhos. Pode ser aplicável, por exemplo, em almoço/jantar com amigos ou até mesmo de negócios. Nos fins de semana, faça programas com a família que não exijam internet, propiciando, ao máximo, momentos de desintoxicação digital.

O recado final

O pano de fundo para todo esse argumento é a atenção. O mundo online captura, naturalmente, a nossa tão preciosa atenção. É uma concorrência que precisa ser mitigada!

Portanto, vivenciar, dar efetivo significado às pessoas e as coisas, ou seja, viver integralmente e concentrar no que interessa, requer que a pessoa esteja no aqui e agora, no comando da sua jornada. Essa é a essência do bem viver, da plenitude e de uma caminhada que vale a pena. Convenhamos, esse vivenciar de protagonista requer conexões e desconexões, de maneira que, no equilíbrio, tenhamos capacidade de dar foco para o essencial. Somente encontrando tempo para estar conosco, para fazer o que realmente importa, conseguiremos evoluir verdadeiramente, num acumular de marcos e marcas pelo caminho.

Assim, estaremos cada vez mais aptos a ouvir o inaudível, a enxergar o invisível, a valorizar o essencial, pois como disse Antoine de Saint-Exupéry, em seu marcante livro O pequeno príncipe, … “só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.”

Adaptado das seguintes fontes: 7 passos para um detox digital (https://super.abril.com.br/comportamento/7-passos-para-um-detox-digital/) e DETOX DIGITAL (Revista VOCÊ S/A – Outubro de 2018 – Pg. 31).

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir ao próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (levar música ao vivo para casas de idosos é uma das frentes de atuação, iniciada em 2007), além de assegurar espaços na agenda para o exercício do autoconhecimento e para a meditação, no caminho da evolução pessoal permanente . Gosto de ler, de aprender coisas novas, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Educação, O ser humano no contexto das organizações, Psicologia e comportamento, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s