A autoestima não é egocentrismo, nem arrogância, nem superioridade

Trago hoje, para nossa informação e reflexão, excelente texto publicado, algum tempo atrás, no site A Mente É Maravilhosa, fazendo inteligente análise a respeito da autoestima, essa sensação de confiança e de valorização que o indivíduo demonstra em relação a si mesmo.

A abordagem procura fazer distinção entre a autoestima, que se caracteriza como um sentimento positivo, e outros tipos de atitudes que, por excesso de apreciação própria, transbordam para a demonstração de arrogância e de superioridade.

Portanto, bom-senso e humildade não podem faltar nessa equação.

Leiam a seguir:

“A autoestima não é egocentrismo, nem arrogância, nem superioridade

Autoestima

A autoestima não é egocentrismo, nem arrogância, nem superioridade, nem orgulho. A autoestima é gostar de si mesmo, olhando no próprio espelho físico e psicológico o reflexo de uma imagem sadia e exposta, uma imagem protegida e com fortes bases.

Existem pessoas que mostram a imagem que têm de si mesmas com prepotência, que destacam as suas forças e lutam para não deixar transparecer nenhum ponto de vulnerabilidade, que se mostram perfeitas e que afirmam não cometer erros ou enganos.

Estas pessoas carecem de pensamentos autocríticos e mostram um certo receio para consigo mesmas, escondendo a sua verdadeira imagem por trás de uma máscara que deseja ser a perfeição, sendo isso impossível.

A diferença entre o egocentrismo e a autoestima

O ego é a base da nossa identidade pessoal e, como conseqüência, tanto da nossa autoestima como do egocentrismo. De forma simples, poderíamos diferenciar estes dois conceitos desta forma: a autoestima é um querer sadio e tolerante, o egocentrismo é um querer vazio, sem reflexão, excessivo e intolerante.

Existe uma história que exemplifica muito bem como a autoestima se expressa e como não. Vejamos a seguir:

Eu caminhava com meu pai quando ele de deteve em uma curva e, depois de um pequeno silêncio, me perguntou:

– Além do canto dos pássaros, você ouve alguma outra coisa?
Agucei os meus ouvidos e, alguns segundos depois, respondi:
– Estou ouvindo o barulho de uma carreta.
– Exatamente – disse meu pai-. É uma carreta vazia.

– Como você sabe que é uma carreta vazia, se ainda não a vemos? – perguntei ao meu pai.

– É muito fácil saber quando uma carreta está vazia, por causa do barulho. Quanto mais vazia a carreta, maior será o ruído que faz – me respondeu.

Transformei-me em adulto e até hoje quando vejo uma pessoa falando demais, interrompendo a conversa dos outros, sendo inoportuna ou violenta, exibindo o que tem, se mostrando prepotente e desprezando as pessoas, tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai dizendo:

“Quanto mais vazia a carreta, maior será o ruído que faz.”

humildade consiste em calar as nossas virtudes e permitir que os outros as descubram. E lembre-se de que existem pessoas tão pobres que a única coisa que têm é dinheiro. Ninguém está mais vazio que aquele que está cheio de si mesmo.

Geralmente, como se vê neste texto, a arrogância, a prepotência e o egocentrismo fazem muito barulho, não uma imagem saudável de si mesmo (autoestima).

Você não é melhor do que ninguém, mas também não é pior

A linha divisória entre o ego e a autoestima é muito tênue. Não somos melhores ou piores, simplesmente somos diferentes. Entender a diversidade é, sem sombra de dúvida, a base ou o pilar de uma autoestima saudável que promove atitudes positivas para consigo mesmo e para com os outros.

A autoestima saudável tem a vantagem de que quando conseguimos alguma coisa, não nos orgulhamos a ponto de nos acharmos onipotentes, de modo que não caímos nas garras do egocentrismo ou do amor excessivo e negativo pelo próprio ego.

Uma pessoa que gosta de si de forma sadia não exalta a sua personalidade em excesso,não faz dos seus sentimentos, pensamentos e opiniões o centro das atenções próprias ou alheias. Enquanto a autoestima fomenta a igualdade de pensamentos, sentimentos e comportamentos, o egocentrismo se acha superior em importância e razão.

Ou seja, de algum jeito, quando nos comportamos de forma arrogante ou egocêntrica, o que pretendemos é dar mais valor ao que nós pensamos ou acreditamos, minimizando assim o que os outros pensam ou sentem.

Em suma, é preciso não confundir o egocentrismo com a confiança em si mesmo; quando aparece o primeiro, a pessoa tende a se achar melhor em todos os aspectos, por outro lado, a segurança em si mesmo nos ajuda a agir com conhecimento das nossas capacidades e limitações.

Além disso, quando você gosta de si mesmo, é muito mais fácil gostar dos outros. Não obstante, às vezes é complicado não se deixar levar pelo excesso de ego e cometer o erro de ser arrogante querendo fazer valer nossas opiniões ou sentimentos.

Portanto, o ideal é analisar a si mesmo e tomar precauções, pois a linha que separa ambos terrenos é muito difusa, e cair no erro de querer sobrepor nossos desejos aos dos outros é extremamente fácil.

Fontehttps://amenteemaravilhosa.com.br/autoestima-nao-egocentrismo-arrogancia-superioridade/

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir o próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (acabo de retomar o projeto 'música para idosos'), além de assegurar espaços na agenda para reflexões e meditações. Gosto de ler, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Educação, Motivação e crescimento humano, O ser humano no contexto das organizações. Bookmark o link permanente.

2 respostas para A autoestima não é egocentrismo, nem arrogância, nem superioridade

  1. dulcedelgado disse:

    Este assunto é vasto e permite muito reflectir.
    Neste texto, há uma frase que me chamou especialmente a atenção porque, teoricamente, estou totalmente de acordo. Refere: ” A humildade consiste em calar as nossas virtudes e permitir que os outros as descubram.” Certíssimo!
    Contudo…na prática… os outros raramente estão para ter esse trabalho de procurar algo, quando acham que eles próprios “têm tudo”. No fundo, não querem descobrir coisas que eles não têm!
    Posto isto… é muito, mas muito fácil, que a humildade se transformar em “invisibilidade”!
    Humildemente, sei do que estou a falar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s