Anúncios

Cansado demais ou velho demais para fazer as coisas?

Resultado de imagem para longevidade saudável Imagem: Longevidade Saudável

De volta com o tema LONGEVIDADE, divulgo, a seguir, o interessante artigo de Mariza Tavares, publicado recentemente no blog Longevidade: modo de usar, da Rede Globo, trazendo novas visões e paradigmas – e também algumas provocações mais do que pertinentes – sobre como podemos ter um envelhecimento mais saudável e com bem-estar.

Confiram. Vale a leitura!

“Cansado demais ou velho demais para fazer as coisas?

No domingo passado, a coluna abordou a tese da “consciência” das células, de como nosso corpo filtra e interpreta as informações do ambiente que nos cerca e do impacto que isso tem nas dimensões psíquica e espiritual de cada um. Volto ao tema, que é fascinante e polêmico, trazendo os principais pontos do livro “Corpo sem idade, mente sem fronteiras”, do médico Deepak Chopra. Tornar-se frágil e morrer é o destino de todos; no entanto, vivemos numa sociedade que parece só enxergar o vigor da juventude. A idade avançada, a enfermidade e a morte, diz Chopra, “não são sequer consideradas como uma possibilidade”. Como todos caminhamos nesta direção, o que ele propõe é que prestemos mais atenção às funções corporais, em vez de deixá-las no piloto automático.

Mente e corpo são inseparáveis e a medicina já se utiliza desta ligação para atuar, como explica: “recebendo um placebo, uma droga inócua, 30% dos pacientes experimentarão o mesmo alívio para a dor como se tivessem tomado um verdadeiro analgésico”. Por isso ele defende que o declínio do vigor com a idade é, em grande parte, resultado da expectativa que a pessoa tem a esse respeito: “a ligação mente-corpo automaticamente realiza essa intenção”. O que Chopra propõe é “criar um corpo novo continuamente”. Em primeiro lugar, abrindo o leque de conhecimentos e habilidades que mantenham mente e corpo “crescendo”. O autor lembra que órgãos e tecidos se renovam o tempo todo: “a pele, o revestimento do estômago, o sangue, o esqueleto, tudo está sempre em fluxo”.

Portanto, se o envelhecimento é algo que está acontecendo com você, afirma Chopra, então você é basicamente uma vítima. “Mas se o envelhecimento é algo que você aprendeu, você está na posição de desaprender comportamentos, adotar novas crenças e ser guiado para novas oportunidades”. No livro, ele cita o exemplo de uma pesquisa realizada na Tufts University, nos EUA, com idosos de um asilo submetidos a um regime de exercícios com pesos. As idades variavam entre 87 e 96 anos e, em oito semanas, houve ganho de massa muscular de até 300%, além de melhora em coordenação e equilíbrio: “esses resultados sempre foram possíveis, nada de novo foi acrescentado à capacidade do corpo humano. O que aconteceu foi que uma crença foi alterada e o processo de envelhecimento também se alterou. Se você está com 96 anos e tem medo de movimentar seu corpo, ele irá se consumir”.

Acolher as incertezas como parte da trajetória humana, renunciando à necessidade de controle, também ajuda a administrar o estresse, que pesa mais conforme envelhecemos. Para combatê-lo, ele sugere exercícios de respiração, meditação, música, contato com a natureza e rir. Para finalizar, embora nem de longe esse texto esgote os ensinamentos do livro, Chopra mostra a força das palavras para determinar comportamentos. “Há uma enorme diferença entre dizer estou cansado demais para fazer isso ou estou velho demais para fazer isso. A primeira frase contém uma mensagem subliminar dizendo que as coisas vão melhorar: se você está muito cansado agora, sua energia voltará e você não se sentirá tão cansado depois. Ser velho demais é muito mais definitivo, porque na nossa cultura a velhice é definida pela passagem do tempo linear e as coisas velhas nunca se tornam jovens de novo”.

O astronauta John Glenn morreu na última quinta-feira, aos 95 anos. Foi o primeiro americano a viajar pela órbita da Terra, em 1962, mas voltou ao espaço quando tinha 77 anos. A bordo do ônibus espacial Discovery, ajudou cientistas a estudar o processo de envelhecimento e efeitos dos voos sobre o corpo humano. A longevidade é uma construção que demanda dedicação.

Fonte – http://g1.globo.com/bemestar/blog/longevidade-modo-de-usar/post/cansado-demais-ou-velho-demais-para-fazer-coisas.html
Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir o próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (acabo de retomar o projeto 'música para idosos'), além de assegurar espaços na agenda para reflexões e meditações. Gosto de ler, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Motivação e crescimento humano, Saúde. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: