Excelente matéria sobre mudanças climáticas, efeito estufa, aquecimento global…!

Volto hoje a um tema recorrente aqui no blog: As mudanças climáticas, que se justifica em virtude das alterações nas condições do clima cada vez mais evidenciadas pelos quatro cantos do mundo.

A propósito, trago a seguir mais uma elucidativa, interessante e muito bem produzida matéria do site eCycle, ilustrada com fotos impressionantes. Ao final, vejam vídeo bacana, preparado pelo INPE, explicando sobre efeito estufa, aquecimento global e mudanças climáticas.

Sem dúvida, temos aí uma grande aula sobre esse importante tema,  que desperta preocupação e que deve merecer crescente e real atenção de todos, indistintamente. Recomendo! 

O que são mudanças climáticas?

equipe eCycle

Entenda as mudanças que vêm acontecendo com a temperatura do planeta e quais as possíveis causas e consequências disso

Muito provavelmente você já ouviu falar sobre mudanças climáticas ao menos uma vez na vida. Mas você sabe realmente o que elas significam?

Primeiramente, devemos estabelecer que há uma diferença entre “clima” e “tempo”. Você já ouviu alguém reclamar que o tempo está fechando quando parece que vai chover? Ou que o clima de algum lugar é muito quente? Pois é. Clima e tempo não são a mesma coisa.

Quando dizemos que o “tempo” está ruim, estamos nos referindo a alterações locais do clima, dentro de períodos de tempo mais curtos, como minutos, horas, dias e até semanas. Já o “clima” se refere a médias a longo prazo, podendo ser caracterizado regional ou globalmente. Em outras palavras, clima pode ser considerado uma média do tempo ao longo de várias estações, anos ou décadas.

Sendo assim, o que são as mudanças climáticas? Já sabemos que não se refere às mudanças que ocorrem de um dia para outro, mas sim ao longo de vários anos ou décadas. Um erro comum é acreditar que mudanças climáticas são a mesma coisa que aquecimento global. O aquecimento global é, sim, uma mudança climática que vem acontecendo ao longo dos anos, mas não a única. Além disso, não é a primeira vez que nosso planeta sofre mudanças no clima a nível global. É um pouco mais difícil visualizarmos a questão das mudanças climáticas, pois as escalas de tempo envolvidas são muito grandes, e seus impactos são menos imediatos.

Evidências

O clima da Terra vem mudando ao longo da história, sendo que nos últimos 650 mil anos o planeta passou por sete ciclos de avanço e recuo glacial. A última Era do Gelo, que ocorreu há 7 mil anos, teve um fim abrupto e marcou o início da era moderna do clima e da civilização humana.

Apesar de ainda existirem controvérsias entre alguns integrantes da comunidade acadêmica a respeito do aquecimento global, as mudanças climáticas globais são um fato já aceito e bem consolidado entre grande parte dos cientistas. O Painel Intergovenamental de Mudanças Climáticas (IPCC), por exemplo, considera as evidências científicas para o aquecimento global incontestáveis.

A tendência atual de aquecimento é um ponto importante dentro deste assunto, já que a maior parte é causada pela influência antropogênica, e vem se amplificando a uma taxa sem precedentes nos últimos 1300 anos.

Satélites e outros avanços tecnológicos têm permitido que cientistas vejam o quadro geral, coletando diversos tipos de informação sobre nosso planeta e seu clima em escala global, que ao longo dos anos revelaram sinais de mudanças climáticas.

A deformação dos núcleos gelados da Groelândia, Antártida e de geleiras de montanhas mostram que o clima da Terra reage a mudanças nos níveis de gases de efeito estufa liberados para a atmosfera. Eles também mostram que, no passado, grandes mudanças no clima global ocorreram de forma rápida, geologicamente falando: em dezenas de anos, não em milhares ou milhões.

Abaixo, veja algumas evidências fotográficas das consequências das mudanças climáticas:

  1. Mýrdalsjökull

Mýrdalsjökull é a quarta maior calota de gelo da Islândia, que cobre o vulcão Katla no extremo sul do país.

À esquerda, 16 de setembro de 1986. À direita, 20 de setembro de 2014 – Imagem: NASA

  1. Mar de Aral

O mar de Aral era o quarto maior lago do mundo até os anos 1960, um dos maiores corpos de águas salinas interiores do mundo e o segundo maior mar na Ásia. Ele encolheu dramaticamente ao longo dos últimos 30 anos. Uma das principais razões é a irrigação de culturas: a água foi retirada dos rios que mantinham o mar de Aral cheio. Como consequência, houve mudanças perceptíveis no clima local, tempestades de poeiras contaminadas, a perda de água potável e crises nas indústrias de pesca local. Até o final dos anos 2000, o mar de Aral perdeu quatro quintos do seu volume de água.

À esquerda, 25 de agosto de 2000. À direita, 19 de agosto de 2014 – Imagem: NASA

  1. Lago Powell

A falta de água prologada causou uma queda dramática do nível da água do lago Powell. As imagens mostram a porção norte do lago, que se estende do Arizona a Utah, nos EUA. A imagem de 1999 mostra o Lago com seus níveis de água próximos à sua capacidade total, e em 2014, com 42% de sua capacidade preenchidos.

À esquerda, 25 de março de 1999. À direita, 13 de Maio de 2014 – Imagem: NASA

  1. Alaska

Derretimento das geleiras no Alaska.

À esquerda, 1940. À direita, 4 de agosto de 2005 – Imagem: NASA

Causas

As mudanças climáticas podem ser ocasionadas por fatores naturais, como as alterações na radiação solar ou movimentos da órbita da Terra. Porém, o IPCC afirma que há 90% de certeza que o aumento de temperatura na Terra está sendo causado pela ação do homem ao longo dos últimos 250 anos.

A maioria dos cientistas do ramo concorda que uma das principais causas da atual tendência de aquecimento global é a influência humana na expansão do efeito estufa. Vale lembrar que o efeito estufa é um processo natural, do qual a vida na Terra depende. Caso toda a energia radiante do sol sobre a Terra retornasse ao espaço, teríamos um planeta ausente de calor e inabitável para a vida como a conhecemos, porém a influência antropogênica vem interferindo de forma a intensificar o efeito estufa, causando um aquecimento global abrupto que já vem prejudicando diversas espécies e ecossistemas. Ao longo do século passado, houve a queima de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo, o que aumentou a concentração de dióxido de carbono (CO2) atmosférico. Isso acontece porque o processo de queima de carvão ou óleo combina carbono com o oxigênio do ar para formar CO2. Em menor escala, o desmatamento para a agricultura, indústria e outras atividades humanas tem aumentado as concentrações de gases de efeito estufa (GEEs).

As consequências desta alteração no efeito estufa natural são difíceis de prever, mas alguns efeitos prováveis são:

  • De forma geral, a Terra se tornará mais quente – algumas regiões poderão apresentar temperaturas mais elevadas que outras;
  • O aumento das temperaturas provavelmente resultará em maiores taxas de evaporação e precipitação, fazendo com que algumas regiões se tornem mais úmidas e outras mais secas;
  • Um efeito de estufa mais intenso iria aquecer os oceanos e derreter calotas polares, elevando o nível dos oceanos. As águas oceânicas se expandiriam devido ao aumento das temperaturas, também contribuindo para a elevação do nível do mar;
  • Algumas plantas podem responder favoravelmente ao aumento do CO2 atmosférico, crescendo mais vigorosamente e melhorando a eficiência do uso da água.

O papel da atividade humana

As atividades industriais das quais a nossa civilização moderna depende elevaram os níveis de dióxido de carbono atmosférico de 280 partes por milhão (ppm) a 379 ppm nos últimos 150 anos. O IPCC também concluiu que há uma probabilidade superior a 90% de que os gases estufa produzidos pelo homem (como o dióxido de carbono, metano e óxido nitroso) terem causado a maior parte do aumento observado nas temperaturas da Terra nos últimos 50 anos.

Radiação solar

É possível que as variações nas atividades solares tenham desempenhado um papel em mudanças climáticas passadas. Acredita-se, por exemplo, que um decaimento na atividade solar tenha desencadeado uma Pequena Era do Gelo, entre aproximadamente 1650 e 1850, quando a Groelândia foi coberta por gelo de 1410 a 1720 e geleiras avançaram para os Alpes.

Apesar disso, há evidências provando que o aquecimento global atual não pode ser explicado pela variação da atividade solar:

  • Desde 1750, o valor médio da energia que vem do sol ou se manteve constante ou aumentou ligeiramente;
  • Se o aquecimento foi causado por um sol mais ativo, então os cientistas poderiam esperar por temperaturas mais quentes em todas as camadas da atmosfera. Em vez disso, eles têm observado um resfriamento na atmosfera superior, e um aquecimento na superfície e nas partes mais baixas da atmosfera. Isso porque gases de efeito estufa retêm o calor na atmosfera inferior;
  • Os modelos climáticos que incluem mudanças na irradiação solar não podem reproduzir a tendência da temperatura observada ao longo do último século ou mais, sem incluir um aumento dos gases de efeito estufa.

Efeitos

As mudanças climáticas globais já apresentam efeitos ambientais observáveis. Geleiras encolheram, gelos em rios e lagos quebram mais cedo, variedades de plantas e animais mudaram e árvores passaram a florescer mais cedo.

Cientistas previram efeitos que seriam resultantes das mudanças climáticas globais e que agora estão acontecendo, tais como a perda do gelo nos oceanos, aumento acelerado do nível do mar, e ondas de calor mais intensas.

Os cientistas acreditam também que as temperaturas globais continuarão a aumentar nas próximas décadas, em grande parte devido a gases de efeito estufa produzidos por atividades humanas. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que inclui mais de 1.300 cientistas dos Estados Unidos e outros países, prevê um aumento de temperatura de 2,5 a 10 graus centígrados durante o próximo século.

De acordo com o IPCC, os efeitos das alterações climáticas serão diferentes para cada região, dependendo da capacidade de cada sistema social e ambiental para mitigar ou se adaptar às mudanças.

O IPCC prevê que o aumento da temperatura média global de menos de 1-3 graus Celsius acima dos níveis de 1990 vai produzir impactos benéficos em algumas regiões e nocivos em outros. Custos anuais líquidos vão aumentar ao longo do tempo conforme a temperatura global aumentar.

De qualquer forma, cerca de 97% da comunidade científica global concorda que as tendências climáticas para o aquecimento ao longo do século passado, ocorreram em grande parte devido às atividades humanas.

O gráfico abaixo contém dados de temperatura de quatro instituições científicas internacionais. Todos mostram um rápido aquecimento nas últimas décadas e que a última década foi a mais quente já registrada.

Imagem: NASA

O que fazer?

A incerteza científica a respeito dos danos ambientais causados pelas mudanças climáticas impõe que as ações humanas que provocam este tipo de mudança sejam guiadas pelo Princípio da Precaução. Ou seja, devem ser incentivadas pesquisas que busquem obter a certeza a respeito dos possíveis danos ambientais causados pelas mudanças climáticas, além de ser imposto o dever de agir antecipadamente para a proteção do ambiente e da saúde pública em face dos riscos suspeitos e incertos, em especial os potencialmente graves ou irreversíveis.

Algumas ações de precaução contra estes riscos incertos, e consequentemente contra as mudanças climáticas, são a redução das emissões dos gases de efeito estufa e os efeitos no aquecimento global. A diminuição do desmatamento, investimentos no reflorestamento e na conservação de áreas naturais, incentivo do uso de energias renováveis não convencionais, preferências pela utilização de biocombustíveis (etanol, biodiesel) a combustíveis fósseis (gasolina, óleo diesel), investimentos na redução do consumo de energia e na eficiência energética, redução, reaproveitamento e reciclagem de materiais, investimentos em tecnologias de baixo carbono, melhorias no transporte público com baixa emissão de GEE também são algumas das possibilidades. E estas medidas podem ser estabelecidas por meio de políticas nacionais e internacionais de clima.

Quanto à legislação, em 2009, no Brasil, foi instituída a Política Nacional sobre a Mudança do Clima (PNMC), por meio da Lei nº 12.187/2009, que mostrava o compromisso do país em reduzir as emissões de gases de efeito estufa entre 36,1% e 38,9% das emissões projetadas até 2020. Alguns instrumentos utilizados para a execução do PNMC são o Plano Nacional sobre Mudança do Clima, o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima e a Comunicação do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

O Plano Nacional sobre Mudança do Clima, por exemplo, apresenta algumas metas e objetivos que se reverterão na redução de emissões de gases de efeito estufa, além de outros ganhos ambientais e benefícios socioeconômicos, que você pode conferir na página do Ministério do Meio Ambiente (MMA) clicando aqui.

Veja abaixo um vídeo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que explica sobre efeito estufa, aquecimento global e mudanças climáticas. O vídeo também cita a influência da Revolução Industrial nas mudanças climáticas atuais, projeções futuras realizadas pelo IPCC, tipos de cenários futuros, e nos dá dicas de como podemos ajudar a minimizar os efeitos ou retardar o aquecimento global.

Fonte – http://www.ecycle.com.br/component/content/article/63-meio-ambiente/3177-o-que-sao-mudancas-climaticas-diferencas-tempo-clima-aquecimento-global-era-do-gelo-efeito-estufa-desmatamento-industria-aumento-das-temperaturas-atividade-humana-politica-nacional-sobre-mudanca-do-clima.html
Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir o próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (acabo de retomar o projeto 'música para idosos'), além de assegurar espaços na agenda para reflexões e meditações. Gosto de ler, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Fotos e imagens, Meio ambiente, Vídeos diversos. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Excelente matéria sobre mudanças climáticas, efeito estufa, aquecimento global…!

  1. Belo post! Creio, que as ações não serão eficazes, mais. Os danos têm um índice muito alto e o povo não ajuda, não se deu conta da necessidade. Por outro lado as indústrias continuam indiferentes a necessidade de adequação, no sentido de minimizar esses efeitos. Estamos vivendo um momento em que TER, está acima de tudo. Nâo existe preocupação com efeito estufa e suas consequencias. O simples fato de ser, ajuda muito, porque a vida e todas as circunstâncias que a envolve, está acima dessas atitudes mesquinhas e irresponsáveis.

    • JCDattoli disse:

      Obrigado, Lúcia. Muitos interesses econômicos são cruéis, sem dúvida, pois normalmente são movidos por visão míope, de curto prazos e sem olhar consequências ambientais. Mas vamos tentando contribuir para elevar a conscientização das pessoas. Já é alguma coisa. Aliás, é caminho eficaz para, no longo prazo, termos um meio ambiente melhor equilibrado e menos ameaçado!

  2. Sandra Fayad disse:

    Este post traz várias informações importantes de forma didática, bem claras. Parabéns pela iniciativa de trazê-lo aos seus leitores! A Terra, um dos mais insignificantes astros do Universo, segundo os estudos astronômicos, não escaparia das mudanças climáticas naturais, que alteram as condições de vida existentes da mesma forma que acontece com os demais astros, habitáveis ou não. Não era necessário que o homem forçasse a situação, levando á conclusões como esta: “… cerca de 97% da comunidade científica global concorda que as tendências climáticas para o aquecimento ao longo do século passado, ocorreram em grande parte devido às atividades humanas.” É evidente que algo tem que ser feito, e isto é tarefa de cada um. O vídeo é bem elucidativo, mostrando o que podemos fazer e quais as questões que ainda se constituem em incômodos pontos de interrogação, sobre os quais devemos nos debruçar. Adorei a matéria! Repassando… e guardando para fazer parte da “missão”.

    • JCDattoli disse:

      É isso, aí, Sandra. De fato, o vídeo do INPE é excelente produto para ser compartilhado e estimular a consciência em relação ao tema aqui tratado!
      Com certeza, você, reconhecida ambientalista, vai fazer bom uso do texto e do vídeo nas suas exposições por aí afora!
      Abraço.

  3. Luiz Ribeiro. Brasília disse:

    Sempre o homem. Este ser inteligente e, contraditoriamente, ao mesmo tempo ignorante e insensível para lidar com a natureza.

  4. Marcello Lopes disse:

    Sem dúvida as ações humanas que atentem contra o meio ambiente devem ser minimizadas ao máximo: a Terra é nossa casa, nosso lar, e deve ser protegida, defendida.
    Todavia, outra coisa é aceitar uma Teoria, mesmo que aventada pelo mais ilustre dos homens e em favor da mais nobre das causas, sem escutar (acadêmica e cientificamente) quem pensa o contrário.
    Neste sentido, vale a pena ressaltar que existe uma corrente de cientistas “de peso”, mesmo lá nos EUA, que se contrapõem, desde o início, a esta Teoria do Aquecimento Global, tendo o CO2 como o grande vilão.
    Mas, pelo menos neste caso, “em breve”, os fatos falarão por si mesmos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s