Livro sobre autoconhecimento/meditação (Osho) – Recomendo!

                                         Livro Osho

No momento em que a agitação, a ansiedade, o estresse e os desequilíbrios mentais em geral se acentuam e são facilmente observados no comportamento humano dos dias atuais (tema que foi objeto do meu post publicado dois dias atrás – https://obemviver.blog.br/2014/09/09/a-doenca-da-alma-voce-tem-um-cachorro-preto/), a prática da meditação se apresenta, sem dúvida, como contraponto e estratégia importante para a busca do equilibro e enfrentamento desse preocupante ritmo de vida a que estamos submetidos, sobretudo por se tratar de “recurso” que está ao alcance de qualquer pessoa, com inquestionáveis benefícios e sem contra-indicações quanto a aspectos de saúde, de crença religiosa etc.

Sobre isso, acabo de ler o livro de Osho,  “Aprendendo a silenciar a mente” (109 páginas + um CD com técnica de meditação), editado no Brasil pela Editora Sextante, tendo sido originalmente publicado nos Estados Unidos com o título The Buddha Within, em 2002, por Osho International Foundation. O livro, apesar do seu pequeno tamanho, traz um conteúdo intenso, rico e instigador. Assim, considero tratar-se de publicação importante e de grande utilidade para subsidiar e propiciar reflexões a todos os que buscam seguir a jornada do autoconhecimento, da evolução interior e da espiritualidade.

Tendo por mote a meditação, Osho, bem no seu estilo de notória assertividade, apresenta conceitos e afirmações impactantes, que talvez não sejam comuns em publicações dessa natureza e que, por isso mesmo, suscitam polêmicas. Para ilustrar, destaco alguns trechos do livro:

“Dizer alguma coisa sobre meditação é uma contradição. Meditação é algo que você pode ter, que você pode ser, mas por sua própria natureza não é possível dizer o que ela é.”

“Meditação é sentar-se sem fazer nada. Se você começar a fazer alguma coisa, estará movendo-se para fora de seu centro. Quando não estiver fazendo absolutamente nada, seja física ou mentalmente, quando você estiver apenas sendo, isto é meditação. Não é possível fazê-la, não é possível praticá-la. É preciso apenas compreendê-la.”

A pobreza é venerada na Índia, e esta é uma das razões pelas quais eu sou condenado, pois não sou a favor de qualquer tipo de pobreza. Pobreza não é espiritualidade. Pobreza é a causa do desaparecimento da espiritualidade.”

“A meditação é a essência pura. Não é possível remover nada dela. Ela lhe traz o melhor dos dois mundos. Ela lhe dá o outro mundo – o divino – e lhe dá também esse mundo terreno. Através da meditação, você não é mais pobre: tem uma riqueza enorme, que não é feita de dinheiro.”

E no capítulo A Psicologia dos Budas (pgs. 83 a 89), Osho, ao comentar sobre os transtornos da mente, fala que a cura se dá pela arte da transcendência, a verdadeira meditação. Segundo ele, as psicoterapias, como utilizadas no Ocidente, não curam. “Elas podem ajudá-lo a aceitar suas feridas”… e conclui que “A verdadeira terapia é a transcendência, e não apenas a psicoterapia. Não é um fenômeno limitado à psicologia, é muito maior do que isto. É espiritual. E pode curá-lo no mais fundo de seu ser.”

                                           Osho.Imagem

O autor da comentada obra, o indiano Rajneesh Chandra Mohan Jain, mundialmente conhecido como Osho (1931 – 1990), foi professor de filosofia e mestre na arte da meditação, tendo deixado uma vasta obra literária sobre, em síntese, o despertar da consciência. De acordo com o site da Editora Sextante (http://www.esextante.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=498&sid=2), Osho “foi um dos mais influentes líderes espirituais do século vinte. Orador brilhante e polêmico, ele inspirou milhares de pessoas de todas as idades, países e formações religiosas com seus ensinamentos simples e diretos.” Já o site o Pensador (www.pensador.uol.com.br’) informa que “Osho fundou um movimento espiritual com características de uma nova religião, com a busca pelo divino, rituais, doutrinas e até escrituras.” O pensamento a seguir talvez traduza de certa forma a maneira como Osho via – e desafiava – o lugar comum, o comodismo:

Sempre que houver alternativas, tenha cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo que faz o seu coração vibrar. Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências.”

Em síntese, foi uma leitura gratificante e enriquecedora. Recomendo o livro!

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir o próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (acabo de retomar o projeto 'música para idosos'), além de assegurar espaços na agenda para reflexões e meditações. Gosto de ler, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Livros e leitura, Meditação e Espiritualidade. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Livro sobre autoconhecimento/meditação (Osho) – Recomendo!

  1. A indicação parece perfeita! Fiquei curiosa pra ler. Gosto da leitura dele, por não ser cansativo. Ele não se dispersa e isso torna mais instigante. Nesse livro, que ainda não li, me chamou a atenção num parágrafo, “A verdadeira terapia é a transcendência, e não apenas a psicoterapia. Não é um fenômeno limitado à psicologia, é muito maior do que isto. É espiritual. E pode curá-lo no mais fundo de seu ser.” Concordo sim. É preciso ir muito mais além. Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s