Sentimento de CULPA: Uma emoção negativa!

                                                 Sentimento de culpa.Imagem3

Retorno ao tema emoções, objeto do post do último dia 19 (https://obemviver.blog.br/2014/08/19/emocoes-reflet…-sobre-a-raiva/) para falar especificamente sobre o sentimento de CULPA. Esse tipo de emoção que não ajuda, ao contrário, em muito nos atrapalha. Na verdade, a culpa funciona negativamente para a pessoa e se insere no conjunto do que se chama de pensamentos limitantes, formando padrões mentais negativos que geram a danosa baixa autoestima.

Impõe a cada um de nós aprender a lidar inteligentemente com algum erro que possamos ter cometido, compreendendo a imperfeição como algo inerente ao ser humano, de maneira a não incorrermos na autopunição. Ficar culpando a si próprio, com excesso de crítica e até mesmo de ódio não é nada positivo. Uma coisa é analisar o erro cometido para evitar a sua ocorrência em momento futuro. Isso, sim, é aprendizado, é evolução! Outra é ficar sofrendo e se limitando!

Eis o que disse Sêneca, famoso escritor e intelectual do Império Romano (4. a.C – 65 d.C): 

“A principal e mais grave punição para quem cometeu uma culpa está em sentir-se culpado.”

E para explorar o assunto um pouco mais, transcrevo texto da Psicóloga Luciana Souza, com o título EMOÇÕES DANOSAS III: CULPA, publicado em https://www.facebook.com/pages/Psic%C3%B3loga-Luciana-Souza/254259118118668?fref=ts: 

“Sempre que fazemos uma avaliação negativa sobre alguma atitude, pensamento ou sentimento que tivemos…nasce a culpa.

Culpa por ter feito, por não ter feito, por ter sentido, por não ter sentido, por ter perdido o controle, por ter escolhido errado…Culpa por comer demais, por gastar demais, por amar demais.
A culpa está envolvida pelo sentimento de frustração, de impotência, pela tristeza, pelas insatisfações da vida. Muitas vezes vem acompanhada de insegurança e de crenças distorcidas sobre nossa competência pessoal.
Parceira da autopunição, a culpa nos convida a um estado de vitimização. E quanto mais nos sentimos vítimas, mais nos sentimos culpados por tudo.
Essa emoção coloca você contra você mesmo. E a pessoa ou situação que faz a gente se sentir culpado acaba sendo o nosso mestre, tendo poder sobre nós.
Para a psicologia humanista existencial de Carl Roger o sentimento de culpa é uma limitação no processo de auto-realização do ser humano. Pois quando ficamos aprisionados nela, permanecemos encarcerados nos nossos erros e no nosso passado. E então, nos punimos e criamos autossabotagens que prejudicam nosso crescimento.
Definitivamente, não existe culpa no universo. Esse sentimento foi uma invenção do ser humano para criar amarras e conquistar poder sobre o outro. Sempre que você se sentir culpado pense o quanto você pode estar permitindo que o seu ego esteja atuando como um grande general severo com você.
Procure pensar que a consequência das nossas ações são questões ligadas à lei universal de causa e efeito.
E lembre-se que todos nós cometemos erros. Errar é humano. Não existe perfeição quando se trata de nós, seres humanos.
Você não precisa mais se sentir culpado pelos seus erros ou pelo o que você considera que fez de errado. Olhe para você com compaixão!”          Culpa.Texto Luciana

(Texto de Luciana Souza – Psicóloga)

Anúncios

Sobre JCDattoli

Este blog foi idealizado para compartilhar reflexões e discussões (comentários, frases célebres, textos diversos, slides, vídeos, músicas, referências sobre livros, filmes, sites, outros blogs) que contribuam para a realização e o crescimento do ser humano em toda a sua essência e nas dimensões pessoais e profissionais. Almejo que o ser humano se mostre cada vez mais virtuoso, atento e disposto a servir o próximo em cada momento da sua existência. Atuei profissionalmente por quatro décadas, com bastante intensidade, nas áreas pública e privada. Ocupei de cargos técnicos a postos de chefia e direção. Neste novo momento, pretendo ajudar pessoas a atingir outros patamares na vida – e na profissão. Dedicarei parte do tempo para ações sociais/humanitárias (acabo de retomar o projeto 'música para idosos'), além de assegurar espaços na agenda para reflexões e meditações. Gosto de ler, de praticar atividades físicas e de cantar-tocar violão. A família e as amizades são preciosas matérias-primas na construção do bem viver. Apesar das incongruências, desencontros e descaminhos humanos, tenho por missão dedicar-me mais e mais às pessoas como contributo para um mundo verdadeiramente melhor!
Esse post foi publicado em Frases célebres, Motivação e crescimento humano, Saúde. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Sentimento de CULPA: Uma emoção negativa!

  1. É verdade! A culpa muita vezes nos impede de caminhar. Eu tenho muito isso. Sempre que algo não da certo, eu começo a me senti culpada. E fico muito triste. Mas é um processo de longas datas que não consigo mudar.
    Beijos

  2. JCDattoli disse:

    Lúcia, diria que o esforço para superar – ou minimizar – esse tipo de pensamento limitante vale muito a pena! Obrigado pela interação.

  3. Marcello Lopes disse:

    Excelente texto! Muito esclarecedor, especialmente naqueles casos em que a pessoa se sente impedida de continuar tocando sua vida “normalmente”. Por outro lado, acredito que se esta memória viva, este registro que serve como um farol a nos alertar para que não voltemos a trilhar caminhos tortuosos, for taxado de um sentimento de “culpa” a ser combatido, ficaremos a mercê das circunstâncias, sem referências sobre nós mesmos. Não consigo imaginar como o mundo passaria a ser sem a lembrança de nossos erros do passado ou o conhecimento (registrado em nossas consciências) de nossas imperfeições. Se por um lado o sentimento de culpa pode nos imobilizar para gozar uma vida plena, em outro viés, o descompromisso com nossos erros ou vícios, o banimento da memória de nossas falhas de caráter ou de personalidade, pode nos tornar indiferentes ou inconsequentes, seja em relação a nossa vida ou a daqueles que nos rodeiam. Acredito que a consciência de nossas imperfeições, de nossas fraquezas (que só é possível graças à lembrança esclarecedora de nossos erros do passado), também nos permite progredir, nos permite avançar. Portanto, acho que este sentimento de culpa não deveria apenas ser condenado e combatido, deveria, antes, ser transformado em um registro útil a servir como uma referência permanente para nossos próximos passos nesta tão difícil jornada existencial. Quem sabe assim a gente consiga errar um pouco menos no presente e, consequentemente, ter menos motivos para voltar a ser assombrado pela culpa no futuro?

    • JCDattoli disse:

      Obrigado, Marcello, pelo seu rico comentário! E de fato é isso mesmo. O segredo é como se encarar o fato. Como eu disse na apresentação do texto, o erro deve ser analisado como aprendizado, para evitar recorrências. Agora, o que não pode acontecer é a pessoa ficar refém daquela situação negativa passada, cultivando sentimento de culpa, que só prejuízos lhe trará!
      Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s